UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: FRANCISCO DE ASSIS NUNES MARTINS ARAUJO
12/08/2016 09:29


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCISCO DE ASSIS NUNES MARTINS ARAUJO
DATA: 27/08/2016
HORA: 10:00
LOCAL: Auditório do CCBS/HU
TÍTULO: Análise Descritiva da Obesidade como Fator Modificador da Doença Periodontal
PALAVRAS-CHAVES: obesidade, doenças periodontais, índice de massa corporal
PÁGINAS: 61
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
RESUMO:

A obesidade e as doença periodontais estão entre as doenças crônicas mais comuns que afetam a população mundial, apresentando como característica em comum o fato de estarem associadas a quadros de inflamação o que pode justificar a presença de uma via patofisiológica em comum. O presente trabalho avaliou a condição periodontal, correlacionou o perfil lipídico e verificou os hábitos de higiene oral e o grau de conhecimento sobre a influência da obesidade na saúde bucal de pacientes obesos e não-obesos utilizando como parâmetro o Índice de Massa Corporal (IMC) e a Circunferência Abdominal (CA). Foram submetidos ao exame periodontal de boca completa 54 pacientes obesos (IMC ≥ 30Kg/m2) e 40 não-obesos (IMC < 30Kg/m2) para avaliação dos parâmetros de Índice de Placa (IP), Índice Gengival (IG), Sangramento à Sondagem (SS), Nível de Inserção Clínica (NIC) e Profundidade de Sondagem (PS). Em seguida, foram coletados dados sobre aspectos sócio demográficos, hábitos de higiene oral e perfil lipídico (triglicérides, colesterol total, HDL e LDL) de cada paciente. Pacientes obesos apresentaram menor SS que não-obesos (34% e 42,1%, respectivamente, p<0,05), não havendo diferença estatisticamente significante do IP (obesos: 50,2% e não-obesos: 45,9%) e do IG (obesos: 30,8% e não-obesos: 39,5%). Apesar da semelhança em relação à prevalência das doenças periodontais (gengivite e periodontite), houve diferença estatística em relação ao grau da severidade da periodontite, ou seja, pacientes obesos apresentaram níveis mais altos de perda de inserção do que os pacientes não-obesos (p<0,05). Em relação ao perfil lipídico, houve diferença estatística apenas na média do triglicérides (obesos = 127mg/dl maior que não-obesos = 102mg/dl) e quanto aos hábitos de higiene oral, pacientes obesos apresentaram frequência de escovação menor que os não-obesos. Dentro das limitações desse estudo, pode-se concluir que pacientes obesos apresentaram maior severidade da periodontite e maiores níveis quantitativos de triglicérides, não havendo diferença em relação à prevalência das doenças periodontais com os não-obesos. Além disso, a maioria de ambos os grupos afirmaram desconhecimento da influência da obesidade sobre saúde bucal.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 3317726 - GUILHERME DE OLIVEIRA MACEDO
Presidente - 1213791 - LUIZ CARLOS FERREIRA DA SILVA
Interno - 002.338.955-90 - THIAGO DE SANTANA SANTOS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5