UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Junho de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: BIANCA SILVA DOS SANTOS
05/08/2016 19:02


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BIANCA SILVA DOS SANTOS
DATA: 29/08/2016
HORA: 11:00
LOCAL: Auditório DTA
TÍTULO: OBTENÇÃO DE CORANTE NATURAL DO FRUTO TROPICAL JABUTICABA
PALAVRAS-CHAVES: Jabuticaba, corante natural, antocianina, formulação, estabilidade
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Ciência e Tecnologia de Alimentos
SUBÁREA: Ciência de Alimentos
ESPECIALIDADE: Química, Física, Fisico-Química e Bioquímica dos Alim. e das Mat-Primas Alimentares
RESUMO:

A jabuticaba (Myrciaria cauliflora Myrtaceae) é um fruto nativo do Brasil, bastante apreciado e bem adaptado ao clima tropical. Possui casca vermelho-púrpura e altos teores de compostos bioativos, principalmente antocianinas, que contribuem para o poder antioxidante da fruta, contribuindo para efeitos benéficos à saúde. O processamento desse fruto para aproveitamento dos compostos de interesse aumenta o valor comercial da jabuticaba e a rentabilidade de seu processamento, pois são altamente suscetíveis à degradação. Para melhor aplicação tem-se a extração e produção de corante natural em pó desses compostos, que consiste na retenção, proteção e preservação desses compostos em uma matriz comestível (agente carreador). A tecnologia para processamento das micropartículas vem evoluindo para fornecer um produto com maior estabilidade e funcionalidade. Assim sendo, este trabalho teve como objetivo a obtenção de um corante natural em pó rico em antocianinas extraído da casca da jabuticaba, visando a retenção de compostos bioativos extraídos. Para determinação dos melhores parâmetros de extração foi realizado um delineamento experimental utilizando técnicas de extração, a saber: concentração de solvente, proporção matéria prima:solvente, tempo de agitação e repouso do extrato. Posteriormente, foi analisada a eficiência da formulação com goma de cajueiro como agente coadjuvante de secagem na obtenção do corante natural em pó pelos processos de atomização e liofilização. Foram realizadas análises físico-químicas, colorimétricas, teor de antocianinas, compostos fenólicos e atividade antioxidante pelos métodos ABTS e FRAP, além de testes de estabilidade e armazenamento, expondo o corante em pó à luz a uma temperatura de 28 ± 2°C, comparando-se com amostras controle não expostas à luz. O delineamento experimental revelou que o etanol 70% acidificado com HCl a pH 2, a proporção matéria-prima:solvente 1:12 (m/v) e o tempo de repouso a temperatura ambiente por 24 horas consistiram nas melhores condições experimentais quanto a variável de resposta quantificação de antocianina. O corante natural em pó obtido pelo processo de liofilização apresentou maior rendimento (28,04%) e menor degradação de compostos antociânicos nas amostras armazenadas com incidência da luz quando comparadas com as amostras atomizadas, evidenciando o efeito deletério do calor sobre a estabilidade desses compostos. Os corantes liofilizados mostraram-se adequados na conservação da cor até o final do período de armazenamento, no entanto, menor capacidade antioxidante evidenciada pelos métodos ABTS e FRAP. As formulações atomizadas apresentaram maior composição fenólica. A casca de jabuticaba apresentou-se como boa fonte de pigmentos naturais, apresentando-se como alternativa viável na obtenção de corantes.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1548928 - PATRICIA BELTRAO LESSA CONSTANT
Interno - 1683778 - ELMA REGINA SILVA DE ANDRADE WARTHA
Externo ao Programa - 426680 - GABRIEL FRANCISCO DA SILVA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9