UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: GENILDE GOMES DE OLIVEIRA
25/07/2016 14:49


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GENILDE GOMES DE OLIVEIRA
DATA: 12/08/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: "Investigação Epidemiológica e Geo Espacial da Esquistossomose Mansônica em Área Ocupada por Trabalhadores Rurais sem Terra"
PALAVRAS-CHAVES: Esquistossomose mansoni; Epidemiologia; Análise Espacial.
PÁGINAS: 68
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

A Esquistossomose mansônica é uma doença causada por trematódeo digenético Schistosoma mansoni. É endêmica em 78 países tropicais e subtropicais. No Brasil acomete os estados de Alagoas, Pernambuco, Sergipe, Bahia Paraíba e Minas Gerais. Movimento de Sem Terras, é um movimento brasileiro cujo objetivo é implantar a reforma agrária, estes invadem terras, consideradas por eles como improdutivas e instalam-se em propriedades sem condições ideais de moradia, tendo que utilizar a água do rio para consumo, lazer, atividades domésticas e agricultura, propiciando a manutenção do ciclo evolutivo da doença. Em meio as dificuldades para controlar a doença, surge uma ferramenta para auxiliar no controle e monitoramento, a tecnologia geo - espacial, e com ela o SIG (Sistema de Informação Geográfica) e GPS (Geografic Information System). Estes vêm facilitando a integração de observação da terra, determinando parâmetros ambientais com dados de saúde para o desenvolvimento de vigilância das doenças e modelos de controle. Objetivos: Diante desta problemática, buscou-se descrever e analisar aspectos epidemiológicos e geo espaciais de esquistossomose mansônica em famílias de Sem Terra da região sul de Sergipe investigadas e tratadas no ano de 2010 com segmento em 2015. Método: Trata-se de estudos transversais realizados em 2010 e 2015, quando foram investigados 13 assentamentos de Sem Terras. No ano de 2010, 601 indivíduos foram incluídos na pesquisa, em 2015, 1139. Nos dois inquéritos foi utilizado o TF Test® para análise das fezes e no segundo inquérito, os positivos realizaram ecografia abdominal. Para o mapeamento da área foi utilizado o GPS. Os dados coletados foram analisados por meio da técnica de interpolação exploratória, estimativa de Kernel, esta técnica gerou uma superfície de densidade para a detecção visual de “áreas quentes” ou “hotspots”, entendidas como uma concentração de eventos que indica de alguma forma a aglomeração em uma distribuição espacial. Resultados: Em 2010, obteve-se uma proporção de parasitológicos positivos para S. mansoni de 4,3%, todos na fase crônica intestinal. Em 2015, 2,6% estavam infectados, sendo que oito deles na fase hepatointestinal. No segundo inquérito, os assentamentos mantinham as condições sócio demográficas do primeiro, como a falta de saneamento básico, rede de esgoto, água tratada para consumo e escolaridade. Nos dois inquéritos os casos humanos positivos foram tratados e os mais graves encaminhados ao ambulatório do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe para acompanhamento. Dos 13 assentamentos pesquisados em 2010, 08 (61,5%) tiveram casos humanos positivos para S. mansoni. Em 2015, 11 (84,6%) apresentaram resultados positivos. Nos dois inquéritos, foi demonstrada a ocorrência de nove espécies de helmintos e quatro de protozoários. Os resultados da análise espacial apontam a existência de oito áreas de principais riscos situadas na região sul de Sergipe. Conclusão: A análise espacial mostrou que a distribuição da doença não foi homogênea. A prevalência da doença na região é baixa, entretanto as condições sócio demográficas apontam um cenário preocupante com focos em 11 dos 13 assentamentos. É notória a necessidade urgente de intervenção do governo no que concerne a prevenção e controle da doença.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 426722 - ANGELA MARIA DA SILVA
Externo à Instituição - IZA MARIA FRAGA LOBO
Externo ao Programa - 1787754 - LUCIENE BARBOSA
Interno - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES
Externo à Instituição - MARCOS ANTONIO COSTA DE ALBUQUERQUE

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5