UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 15 de Junho de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: TAIGUÃ CORRÊA PEREIRA
15/07/2016 11:06


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: TAIGUÃ CORRÊA PEREIRA
DATA: 15/07/2016
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do Pólo de Gestão da UFS
TÍTULO: O desconhecido do pouco conhecido: o padrão espacial de riqueza e lacunas de conhecimento em plantas (Fabales: Fabaceae) na Caatinga
PALAVRAS-CHAVES: Riqueza de Leguminosas. Semiárido. Cokriging. Déficit Wallaceano
PÁGINAS: 40
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
SUBÁREA: Ecologia de Ecossistemas
RESUMO:

A biodiversidade é distribuída de forma heterogênea através do planeta Terra. Embora a discussão sobre quais fatores determinam os padrões espaciais da biodiversidade continue sendo controversa, o simples conhecimento dos seus componentes é um desafio ainda maior. Assim, cientistas tem trabalhado com dados frequentemente incompletos em termos taxonômicos e geográficos. Entretanto, conhecer o quanto ainda há para ser estudado ou descoberto é fundamental para a ciência, e a insuficiência ou falta de conhecimento sobre a distribuição geográfica das espécies é considerado um dos principais problemas enfrentados em estudos sobre a biodiversidade, especialmente em países ditos “megadiversos” como o Brasil. O Bioma Caatinga tem sido historicamente reconhecido com um dos menos conhecidos e valorizados quanto a diversidade biológica, devido à ideia predominante de sua baixa diversidade e endemismo e elevado grau de antropização. Considerando a dominância da família Fabaceae na Caatinga, quanto à riqueza e abundância regional, investigamos o padrão espacial da riqueza de espécies de Fabaceae no bioma, buscando determinar quais os fatores ambientais responsáveis pela variação espacial da sua riqueza de espécies. Além disso, elaboramos um modelo estatístico espacial de diversidade de Fabaceae na Caatinga a partir da estrutura espacial das assembleias conhecidas e dos seus determinantes ambientais, a fim de estimar o déficit de conhecimento sobre a distribuição (déficit wallaceano) da Família na Caatinga. Obtivemos 220.781 registros, dos quais menos de 25% foram válidos. A partir desse registro, encontramos o total de 1.310 espécies de 198 gêneros. A riqueza predita pelo modelo espacial variou de 92 a 283 espécies ao longo do espaço e foi melhor descrita pelo esforço amostral, aspectos do solo e topografia. A partir da medida de discrepância entre valores estimados e observados de riqueza de espécies, estimamos valores de déficit Wallaceano, chegando a 192 espécies em uma única localidade. O número total de espécies encontrado neste trabalho representa um incremento expressivo na riqueza conhecida de espécies da família na Caatinga. O déficit Wallaceano estimado evidencia uma deficiência crônica e espacialmente heterogênea no conhecimento da flora regional. A persistência de lacunas tão expressivas no conhecimento, somada a cobertura reduzida de áreas protegidas no Bioma evidencia um risco corrente de perdas significativas de diversidade biológica com sérias implicações para a conservação do Bioma.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2019114 - SIDNEY FEITOSA GOUVEIA
Interno - 2019940 - ALEXANDRE DE SIQUEIRA PINTO
Externo à Instituição - RODRIGO DOBROVOLSKI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15368-99f189d34b