UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 31 de Janeiro de 2023

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: ANA CRISTINA NOVELINO PENNA FRANCO
25/05/2016 10:07


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA CRISTINA NOVELINO PENNA FRANCO
DATA: 30/06/2016
HORA: 10:00
LOCAL: PRODEMA
TÍTULO: Monitoramento e conservação de cavalos - marinhos (Syngnathidae – Hippocampus reidi (GINSBURG, 1933) no estuário do Rio Vaza-Barris – SE.
PALAVRAS-CHAVES: Cavalos –marinhos; marcação-recaptura; bioelastômero; Biologia da Conservação; Rio Vaza-Barris.
PÁGINAS: 113
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

O trabalho foi realizado no Complexo Estuarino do Rio Vaza-Barris, área próxima à cidade de Aracaju. O objetivo geral deste estudo é analisar o padrão de ocorrência, estrutura populacional e aspectos ecológicos do Hippocampus reidi (GINSBURG, 1933), de modo a buscar a conservação desses organismos “in situ”. Foram realizadas 21 coletas mensais, de setembro de 2013 até maio de 2015. Foram feitas 473 observações de cavalos-marinhos, em três pontos de amostragem: Riacho da Baleia, com 279 observações, Viral, com 105 observações e Caruara, com 89 observações. A densidade populacional variou significativamente de acordo com o ponto de coleta e ao longo do tempo observado, assim como a densidade dos indivíduos em estágio do ciclo reprodutivo não variou nos meses de amostragem. Nos meses fevereiro de 2014, julho de 2014 e outubro de 2014 correram três picos de reprodução. A partir de janeiro de 2014, foram iniciadas as marcações com bioelastômeros em 232 indivíduos. Através da marcação e recaptura estimou a populacao em 294 individuos no Riacho da Baleia, 69 no Viral e 65 no Caruara. A estrutura populacional foi determinada medindo o comprimento dos cavalos-marinhos. Constatou-se que os individuos capturados variaram de 2,1 cm a 19,2 cm, em média geral medem 14,4 cm. Em todo o período amostral foram encontrados mais indivíduos machos que fêmeas numa relação de 1,3 e muito mais indivíduos adultos que juvenis numa relação de 16,5. Estimou a taxa crescimento corporal mensal dos organismos monitorados em 0,8 cm/mês, sendo que fêmeas e machos tiveram um padrão de crescimento bem próximos, todavia, houve variaçao no padrão de crescimento nas classes de tamanho. As maiores taxas médias de crescimento ocorreram nos meses de abril, maio e junho. Observou-se o comportamento de acasalamento de 26 casais, 11 duplas de machos, 3 duplas de fêmeas, duas duplas de machos com indivíduos juvenis e nove grupos com três ou mais cavalos-marinhos “ex-situ”. Ao longo do tempo, cinco casais se mantiveram juntos, duas duplas de machos com juvenis, e uma dupla de machos. Os dados relacionados ao agrupamento dos cavalos-marinhos indicam que existe fidelidade ao parceiro, e que demonstraram comportamento social altamente estruturado dos cavalos-marinhos. Os dados obtidos da distribuição e fidelidade ao hábitat dos peixes foi monitorada corroborando com os da literatura. Conclui-se que existe uma população de cavalos-marinhos da espécie Hippocampus reidi (GINSBURG, 1933) que está distribuída em manchas no estuário do rio Vaza-Barris, e que não migra para os estuarios adjacentes. Observou-se que ao longo do ano os peixes possuem baixa mobilidade e se movimentam de acordo com as marés, mudando de localização, mas permanecem sempre na mesmos substratos sob influência da raizes da Rizophora mangle. A área estudada possui diversas fontes de impacto antrópico, tais como: pesca profissional e recreativa, bares flutuantes, navegação de lanchas e jetskis, construção de casas e condomínios crescente que colocam em risco as populacões deste peixe. Não há ações ou políticas de conservação da biota local e especificamente para o Hippocampus reidi (GINSBURG, 1933), o qual figura atualmente como vulnerável à extinção. As áreas de residência das populações de cavalos-marinhos devem ser delimitadas e as atividades antrópicas monitoradas e regulamentadas, uma vez que estas populacões formam manchas de diferentes densidades. Concluimos com uma proposta de implantação de gestão comunitária dos recursos pesqueiros para o estuário do Rio Vaza-Barris com o Hippocampus reidi (GINSBURG, 1933) como espécie bandeira, possibilitando a execução de projetos de conservação e ecoturismo na região.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 388007 - ADAUTO DE SOUZA RIBEIRO
Interno - 2222763 - MARIA JOSE NASCIMENTO SOARES
Externo ao Programa - 1775420 - GUSTAVO LUIS HIROSE
Externo ao Programa - 1777726 - ROBERTO SCHWARZ JUNIOR
Externo à Instituição - DANIELA TEODORO SAMPAIO
Externo à Instituição - ANDRESSA SALES COELHO
Externo à Instituição - CLÁUDIO LUIS SANTOS SAMPAIO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2023 - UFRN v3.5.16 -r18285-05ee143cb2