UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ULISSES NICOLA MARTINS
19/05/2016 12:52


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ULISSES NICOLA MARTINS
DATA: 30/05/2016
HORA: 09:00
LOCAL: A definir
TÍTULO: SÍNTESE E DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE QSAR PARA DERIVADOS DO (-)-BORNEOL CONTRA LARVAS DO Aedes aegypti
PALAVRAS-CHAVES: Aedes aegypti, QSAR, borneol
PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

O mosquito Aedes aegypti é o principal transmissor de doenças vetoriais de origem viral, destes o dengue vírus (DENV), um Flavivirus da família Flaviviridae, o mais preocupante em termos de morbi-mortalidade. Em meados de 2014 foram introduzidos no Brasil mais dois vírus transmitidos por este mesmo vetor: o Chikungunya (CHIKV) da família Togaviridae do gênero Alphavirus, e o Zika vírus (ZIKV) da família Flaviviridae do gênero Flavivirus. O tratamento destas infecções não é efetivo pela falta de vacinas operacionais satisfatórias e de medicamentos específicos. A principal estratégia para controle destas doenças se dá pela eliminação do vetor através da utilização de agentes larvicidas/inseticidas. Os principais larvicidas utilizados em saúde pública são os organofosforados e os piretróides. Além de contaminarem o meio ambiente e causar toxicidade em mamíferos, o uso indiscriminado destes compostos fez surgir populações de Ae. aegypti resistentes. Uma alternativa viável aos inseticidas/larvicidas clássicos é a pesquisa de biomoléculas fitoquímicas, como os da classe dos óleos essenciais. Apesar da necessidade de novos larvicidas/inseticidas, poucos produtos são desenvolvidos e comercializados, isto se deve pelo alto custo do desenvolvimento e pela “baixa lucratividade” do mercado do controle de vetores. O uso de técnicas in silico, como a Relação Estrutura Atividade Quantitativa (QSAR), pode reduzir o tempo e o custo deste processo. Neste contexto temos o (-)-borneol, que é um álcool terpenóide bicíclico constituinte de óleos essenciais, presente em diversas plantas conhecidas pelo seu potencial larvicida. Sua estrutura possui o grupo funcional álcool, que permite modificação sintética, as reações realizadas foram de esterificação com cloreto de ácido em meio básico. A modificação na molécula foi feita no tamanho e tipo da cadeia lateral a partir de sua hidroxila alcoólica. Os ensaios de atividade larvicida forneceram os valores de CL50 (concentração para a qual morrem 50% dos individuos expostos após 24h), onde o derivado cloroacetato de bornila exibiu a melhor atividade (21 ppm), já o heptanoato de bornila não demonstrou atividade. As propriedades físico-químicas dos derivados foram obtidas pelo módulo GAMESS® do programa Chem3D Ultra 7.0® a partir da conformação de menor energia da molécula, o parâmetro escolhido foi o Log P. A equação de QSAR foi obtida pelo software MiniTab16™ através da regressão linear quadrática entre o Log P dos derivados e a atividade expressa em Log (1/CL50). A equação final obtida demonstrou valores de r² = 0,944; F = 58,71; Q²= 0,8442; SPRESS = 0,0827 indicando a excelência do modelo. Foi confirmada a influência da lipofilicidade na atividade larvicida dos derivados do borneol. O modelo parabólico obtido sugere que moléculas com Log P de aproximadamente 4,5 tem sua atividade otimizada. Este trabalho poderá ser utilizado como base para direcionar o planejamento de candidatos a novos agentes larvicidas.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 032.657.764-50 - JOSÉ GUEDES DE SENA FILHO
Externo ao Programa - 1516901 - ROSELI LA CORTE DOS SANTOS
Presidente - 1337195 - SOCRATES CABRAL DE HOLANDA CAVALCANTI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5