UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: TÁSSIA CAMILLA SANTOS NUNES
12/05/2016 07:53


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: TÁSSIA CAMILLA SANTOS NUNES
DATA: 27/05/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do Hospital São Lucas
TÍTULO: "Análise da cadeia de custos pela hospitalização por Síndrome coronariana aguda relacionada à escala GRACE"
PALAVRAS-CHAVES: Custos. Escala GRACE. Síndrome Coronariana Aguda
PÁGINAS: 45
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Enfermagem
RESUMO:

A capacidade de financiar os sistemas de Saúde vem sendo ameaçada na maior parte do mundo devido ao envelhecimento populacional somado à diminuição da taxa de natalidade, aumento da incidência de doenças crônicas e introdução de novas tecnologias e medicamentos. As síndromes coronarianas agudas, contempladas por angina instável e infarto agudo do miocárdio, por exemplo, foram responsáveis, em 2015, por 2,25% do total de internações, representando um custo de quase 1 bilhão de reais. Com a finalidade de reduzir custos e/ou alocá-los estrategicamente, a avaliação de custos por patologia seria uma estratégia possível. Assim, o objetivo deste projeto está em analisar a cadeia de custos envolvida na hospitalização por Síndrome Coronariana a fim de extrair aspectos relacionados ao que a movimenta. Para execução da pesquisa, foi proposto um estudo transversal, documental, com abordagem quantitativa, realizado em um hospital privado e em uma operadora de plano de saúde localizados no estado de Sergipe. A amostra contou com indivíduos que: foram admitidos no hospital com diagnóstico de síndrome coronariana aguda durante os anos de 2013 e 2014, eram beneficiários da operadora de plano de saúde em questão, não tiveram atendimento em outra unidade antes de serem admitidos no hospital participante e que não foram a óbito durante a hospitalização. Para tais pacientes, foi calculado o escore de Grace na versão 2.0 e obtidas faturas com todos os custos gerados durante a hospitalização, essas, discriminadas em 06 grandes taxonomias. Na análise dos resultados, foram calculadas proporções para as variáveis categóricas e a média com desvio padrão para as variáveis contínuas. A relação entre os custos e os níveis da escala Grace, entre os custos e os diagnósticos, bem como a relação com a média de permanência hospitalar, todos envolvendo as taxonomias, foram feitas através do teste de Kruskal Wallis, sendo consideradas significativas as diferenças inferiores a 5% (p<0,05). Com a finalidade de atender às recomendações da Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde, a coleta foi autorizada pelas instituições envolvidas, bem como pelo Comitê de Ética e Pesquisa da Universidade Federal de Sergipe (CAAE: 44201115.8.0000.5546). Com isso, os resultados obtidos foram: 64 pacientes, sendo: 39 (60,94%) do sexo feminino e 25 (39,06%), masculino; 32 (50%) admitidos por angina instável, 22 (34,37%) por IAM SSST e 10 (15,63%) por IAM CSST; 27 (42,19%) com nível GRACE baixo, 26 (40,62%) com nível intermediário e 11 (17,19%) com nível alto; a média de idade foi de 67,26 (DP±14,22). Relacionado à hospitalização: o custo total com a síndrome coronariana aguda assume um intervalo entre R$ 30.360,86 e 32.037,89, sendo a média de permanência hospitalar de 7,05 (DP±7,03). Além disso, 06 (9,37%) pacientes realizaram revascularização cirúrgica, 57 (89,06%) passaram por cateterismo, 30 (46,87%) precisam de stent e somente 1 (1,56%) precisou de reinternação. Não houve significância estatística entre os custos e o nível GRACE nem se relacionado ao diagnóstico, inclusive houve uma grande variação de custos dentro de um mesmo nível GRACE. A média de permanência não influenciou estatisticamente nos custos e a taxonomia que mais apresentou impacto na fatura foi a de OPME. Apesar de a gravidade a gravidade não ser a responsável por fomentar os custos, a proposta de um novo método de análise de custos e o levantamento de alguns aspectos sobre a epidemiologia do uso de recursos, desperta o anseio pela busca contínua por resposta sobre a causa dos custos, bem como pode servir de embasamento para análises em diversas vertentes da gestão de custos e planejamento estratégico em saúde.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 426692 - ANTONIO CARLOS SOBRAL SOUSA
Presidente - 1243900 - JOSE AUGUSTO SOARES BARRETO FILHO
Externo ao Programa - 1166728 - JOSE RICARDO DE SANTANA
Interno - 426673 - RICARDO QUEIROZ GURGEL

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5