UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 17 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: RAFAEL SALOMÃO DA SILVA
26/02/2016 13:34


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RAFAEL SALOMÃO DA SILVA
DATA: 29/02/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 2 do PPGAGRI
TÍTULO: Bactérias de solos supressivos com atividade antimicrobiana sobre Xanthomonas campestris pv. campestris
PALAVRAS-CHAVES: Atividade antagonista, podridão negra, controle biológico, crucíferas
PÁGINAS: 45
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

Xanthomonas campestris pv campestris é uma bactéria fitopatogênica que é o agente casual da podridão negra em crucíferas. Para o controle de doenças causadas por fitopatógenos destaca-se o uso de bactérias com atividade antagonista ao patógeno. Estudos recentes mostram que espécies de Bacillus exercem sobre Xanthomonas campestris um forte controle biológico. Um dos mecanismos deste controle é a produção de metabólitos secundários por essas espécies. O objetivo deste trabalho foi selecionar bactérias antagonistas a X. campestris e avaliar a atividade antimicrobiana dos filtrados extracelulares das bactérias (FEB) com atividade antagonista. Para isso, 213 bactérias isoladas de um solo supressivo a foram avaliadas quanto a atividade antagonista in vitro pela técnica da dupla camada. Noventa e dois isolados (44,6%) foram capazes de inibir o crescimento do fitopatógeno alvo (X. campestris). Dentre os 92 isolados selecionados no teste da dupla-camada, 51 (55,43%) apresentaram inibição do crescimento da X. campestris no testes com os FEB em meio líquido. Treze destes inibiram 50% ou mais do crescimento do fitopatógeno alvo, sendo que os FEB8, FEB 31, FEB 68, FEB 74 e FEB 87 foram capazes de inibir 100% do crescimento de Xanthomonas campestris. O FEB do isolado TCDT-8, pertencente ao gênero Paenibacillus, foi utilizado para testes in vivo com culturas de couve-manteiga. A inoculação artificial de couve-manteiga com X. campestris pré-tratada com o FEB8 demonstrou que a bactéria perde a habilidade de colonizar a couve e causar a podridão negra, o que indica o potencial do uso deste isolado para proteger a couve-manteiga da infecção por X. campestris.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2208516 - ROBERTA PEREIRA MIRANDA FERNANDES
Externo à Instituição - FRANCINE FERREIRA PADILHA
Externo à Instituição - VIVIANE TALAMINI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16088-62c448d53e