UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Junho de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: CAMILLA SANTOS ALMEIDA
23/02/2016 16:42


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAMILLA SANTOS ALMEIDA
DATA: 25/02/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 06 do Bloco A do DBI/UFS
TÍTULO: Forrageio em Nasutitermes aff. coxipoensis: comportamento e estratégias em relação à disponibilidade de recursos
PALAVRAS-CHAVES: área de forrageio, comportamento de forrageio, densidade de recursos, glândula esternal, Isoptera
PÁGINAS: 59
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
SUBÁREA: Ecologia de Ecossistemas
RESUMO:

Estratégias comportamentais e habilidades sensoriais permitem aos animais minimizar os custos envolvidos na busca por alimento. Dentre os fatores envolvidos na variação dos custos de forrageio, a disponibilidade de recursos representa um papel central e é reconhecida por modular as áreas de uso dos animais. Insetos sociais apresentam sofisticados sistemas de forrageio, onde a busca por recursos consiste em um processo coletivo. No caso de cupins, algumas espécies exibem características que podem tornar o processo de forrageio ainda mais oneroso. Espécies do gênero Nasutitermes, por exemplo, apresentam gastos extras no forrageio, uma vez que além de construírem uma rede de túneis para acessar os recursos, ainda apresentam um elevado número de soldados, indivíduos troficamente dependentes. No presente estudo, avaliamos: (i) o padrão de forrageio de Nasutitermes aff. coxipoensis, incluindo as estratégias de forrageio e o papel dos soldados; e (ii) analisamos se esta espécie apresenta estratégias para otimização do forrageio frente à variação na disponibilidade de recursos. Para isso, testamos a hipótese de que colônias de N. aff. coxipoensis reduzem o esforço de busca em locais com alta densidade de recursos, utilizando menor área de forrageio. Experimentos manipulativos foram conduzidos em campo e em laboratório a fim de analisar o padrão de forrageio de N. aff. coxipoensis. Para isso, ninhos foram transplantados em áreas de dunas, em Pirambu-SE. Foram estabelecidas sete parcelas em um contínuo de aumento da densidade de recursos (iscas de cana-de-açúcar). Cada parcela foi formada por cinco quadrantes contendo um ninho de Nasutitermes aff. coxipoensis, totalizando 35 ninhos. Destes ninhos transplantados, nove foram aleatoriamente selecionados para realização de observações do padrão de atividade dos ninhos e do comportamento de soldados e operários durante o processo de forrageio. Testes em laboratório foram realizados a fim de analisar o papel dos sinais químicos (ex. feromônio de trilha) presente na glândula esternal de operários e soldados. Para avaliar a resposta de N. aff coxipoensis à variação na densidade de recursos, os 35 ninhos transplantados foram avaliados durante 10 dias consecutivos após os transplantes. Durante esse período foram quantificados: o número de trilhas e de túneis, o comprimento total, o número de ramificações destes e a velocidade de construção dos túneis. Os dados foram analisados utilizando-se modelos lineares generalizados e modelos mistos. Nasutitermes aff. coxipoensis apresentou forrageio principalmente noturno, que se inicia com a formação de trilhas que posteriormente podem ser convertidas em túneis. Soldados foram os primeiros indivíduos a iniciar o forrageio, no entanto, em trilhas já estabelecidas, o número de operários foi sempre maior do que o de soldados. O número de trilhas ativas permaneceu constante ao longo do período de observação, enquanto o número de túneis aumentou de forma gradativa. Foi observada uma maior proporção de túneis iniciando-se no entorno do que partindo diretamente dos ninhos. Em pontos com construção de túneis, houve maior número de soldados parados do que caminhando; o contrário foi observado na ausência de construção de túneis. Em grupos compostos por soldados e operários, os operários preferiram seguir os sinais de trilha dos soldados. Nestes grupos, os soldados foram os primeiros a seguir as trilhas. Colônias de N. aff coxipoensis responderam à variação na densidade de recursos alterando seu forrageio. O número de trilhas, o comprimento total e suas ramificações reduziram com o aumento da disponibilidade de recursos. O número de ramificações de túneis e a velocidade de construção (cm/dia) mostrou um pico em níveis intermediários de densidade de recursos. A conversão de trilhas em túneis aumentou em locais com maior densidade de recursos. Nossos resultados sugerem que os custos envolvidos na produção de soldados de Nasutitermes aff. coxipoensis parecem ser compensados pelo seu papel decisivo no forrageio. Colônias desta espécie parecem otimizar o forrageio através de uma estratégia combinada de formação de trilhas e túneis. Em locais com baixa disponibilidade de recursos os cupins forrageiam preferencialmente em trilhas, evitando a conversão destas em túneis. Já quando a densidade de recursos é aumentada, uma maior proporção de trilhas é convertida em túneis. Tal estratégia, ainda não foi relatada na literatura, até onde temos conhecimento. Assim, N. aff. coxipoensis apresenta estratégias para otimização do forrageio, minimizando os custos envolvidos nesse processo. Os resultados deste estudo podem contribuir para a investigação das questões envolvidas na evolução do comportamento de forrageio de cupins, assim como para desvendar os mecanismos envolvidos nos padrões de distribuição e estruturação de comunidades de cupins.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1861452 - ANA PAULA ALBANO ARAUJO
Interno - 2019940 - ALEXANDRE DE SIQUEIRA PINTO
Externo ao Programa - 1352277 - GENESIO TAMARA RIBEIRO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9