UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 18 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: AIRLES REGINA DA COSTA PAIXÃO
18/02/2016 13:32


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AIRLES REGINA DA COSTA PAIXÃO
DATA: 22/02/2016
HORA: 08:00
LOCAL: Sala 2 do PPGAGRI
TÍTULO: Efeito da pectina metil esterase e cloreto de cálcio na manutenção da firmeza e controle da podridão mole em pimentão.
PALAVRAS-CHAVES: Capsicum annuum L.; enzima PME; cálcio; pós-colheita
PÁGINAS: 89
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

Embora a cadeia produtiva do pimentão (Capsicum annuum L.) tenha uma grande importância comercial possui um grande desafio que é reduzir as perdas pós-colheita prolongando a sua vida útil. Durante a pós-colheita das hortaliças ocorrem alterações das propriedades químicas e organolépticas especialmente na textura, devido a alterações na parede celular e principalmente na lamela média. A firmeza do fruto é particularmente um atributo de qualidade importante para os consumidores. O problema encontrado na pós-colheita dessa cultura é o amolecimento excessivo que pode ocasionar um encolhimento que reduzem severamente a aceitabilidade do produto. Essa perda de firmeza da parede nos frutos de pimentoeiro torna-se porta de entrada para patógenos, como a Pectobacterium carotovorum subsp. caratovorum (Pcc) que causa uma das principais doenças na pós-colheita em pimentões, a podridão mole. A aplicação da Pectinametilesterase (PME) em conjunto com a adição de solução de cálcio poderá aumentar a firmeza dos frutos, prologando assim a sua vida útil e diminuindo o ataque do patógeno (Pectobacterium carotovorum subsp. Caratovorum). Desta forma o objetivo foi avaliar o efeito da Pectinametilesterase (PME) exógena associada ao cloreto de cálcio para o aumento de firmeza e a inibição da ação da Pectobacterium caratovorum subsp. caratovorum sobre o fruto de pimentoeiro. Os resultados foram submetidos à análise de variância (teste f) e teste de tukey a 5% de probabilidade, utilizou-se para tanto o programa estatístico Sisvar. Os frutos tiveram um aumento gradual na perda de massa em todos os tratamentos durante o armazenamento. Os resultados mostraram efeito significativo na manutenção da firmeza do fruto quando tratados com cloreto de cálcio a vácuo, já os tratamentos com infusão com água e (PME+CC) mostraram-se o menos adequado não mantendo a firmeza no pimentão ao longo do tempo. A cor foi influenciada significativamente (p≤0,05) pelos tratamentos, porém não foi significativo para o fator tempo. Houve diferença significativa para os tratamentos na variável SS e na AT, obtendo uma variação discreta de sólidos solúveis e na acidez total ao decorrer do tempo em todos os tratamentos e o pH manteve-se constante ao longo do tempo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1562875 - LUIZ FERNANDO GANASSALI DE OLIVEIRA JUNIOR
Interno - 1460010 - MARCELO AUGUSTO GUTIERREZ CARNELOSSI
Externo à Instituição - ADRIANO DO NASCIMENTO SIMOES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16088-62c448d53e