UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 08 de Fevereiro de 2023

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: CHRISTIANE RAMOS DONATO
16/02/2016 17:17


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CHRISTIANE RAMOS DONATO
DATA: 29/02/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente
TÍTULO: DINÂMICA AMBIENTAL ESPELEOLÓGICA: memória, conservação e educação
PALAVRAS-CHAVES: Dinâmica Ambiental Espeleológica, Metodologia, Fatores de Risco, Fatores de Desenvolvimento, Ambientes e Recursos de Aprendizagem
PÁGINAS: 240
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

A Dinâmica Ambiental Espeleológica (DAE) refere-se a um novo campo de conhecimento construído a partir da interação teórico-metodológica para compreensão de um objeto complexo (caverna). O conhecimento necessário para apoiar a construção da Dinâmica Ambiental Espeleológica perpassa por várias ciências como Ecologia da Paisagem, Ecodinâmica, Geomorfologia Cárstica, Ecologia Humana, Geologia, Paleontologia, Arqueologia, Psicologia e Epistemologia, o que caracterizou esse trabalho como interdisciplinar. Como objetivo geral propôs-se construir parâmetros (indicadores, metodologias de estudo e de análise espeleológica de base operativa) que validassem a existência, pertinência e contribuições de estudos espeleológicos baseados na idiossincrasia de cada geótopo como unidade complexa em funcionamento e estrutura de composição. Trabalhar a Dinâmica Ambiental Espeleológica na articulação entre seus três elementos constituintes (memória, conservação e educação) foi a finalidade desta tese. A dinâmica ambiental espeleológica, a memória espeleológica, a conservação espeleológica e a educação espeleológica foram conceituadas, caracterizadas, tiveram seus princípios e métodos identificados e avaliados. A pesquisa teve natureza fundamental e aplicada com construção de produtos empíricos e epistemológicos de análise e síntese para pesquisas em Espeleologia: (1) as extemporoendografias; (2) o Índice de Dinâmica Ambiental Espeleológica; (3) o check list de identificação de fatores de riscos presentes na caverna, que podem acometer visitantes, acadêmicos e trabalhadores; (4) o check list de ações de conservação espeleológica; (5) os conceitos de dinâmica ambiental espeleológica e memória espeleológica; (6) a “Exposição Veredas da Terra”; (7) o ambiente de aprendizagem “caverna artificial”; e (8) os recursos de aprendizagem “maquete de caverna 3D”, “pendrive-morcego” e “Curso de aperfeiçoamento “No Centro, a Terra: Espeleologia, ensino e interdisciplinaridade”. Foram duas as cavernas sergipanas avaliadas para testar os instrumentos metodológicos (1 a 3): Toca da Raposa, em Simão Dias e Pedra Branca, em Maruim. Foi construído aplicativo Escalas Tempográficas, para apresentar extemporoendografias (fotos, áudios, vídeos, mapas) das duas cavernas estudadas, o qual pode ser visualizado em smartphones, tablets e computadores. Com base na avaliação do Índice de Dinâmica Ambiental Espeleológica (IDAE), as cavernas Gruta da Pedra Branca (Maruim/SE) e Toca da Raposa (Simão Dias/SE) foram classificadas em metaestabilidade intermediária, com a primeira estando em tendência positiva de alteração e a segunda em tendência negativa. Nota-se que a maioria dos contaminantes encontrados nas cavernas estudadas que podem afetar o ser humano é de natureza biológica (fungos, bactérias, vírus, animais peçonhentos, que podem causar doenças e envenenamento), enquanto os contaminantes que podem afetar as cavernas são principalmente de origem química (defensivos agrícolas, metais pesados, etc). Enquanto os desequilíbrios ambientais foram mais físicos (com deslocamento de blocos, quebra de espeleotemas e presença de obras de engenharia). Como as cavidades estudadas não possuem corpos d’água permanentes, as contaminações e desequilíbrios são observados mais no próprio local, sem espalharem-se para a região do entorno pelo lençol freático ou ar atmosférico. Todos os ambientes e recursos de aprendizagem estão sendo aplicados, para auxiliar na dinâmica ambiental espeleológica e sua memória. Assim, é necessário estudos posteriores a respeito da aplicação dos objetos construídos para auxiliar os fatores de desenvolvimento de práticas educativas sobre ambientes espeleológicos.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 388007 - ADAUTO DE SOUZA RIBEIRO
Presidente - 2625648 - ANTONIO VITAL MENEZES DE SOUZA
Externo ao Programa - 1575568 - JOSE MARIO ALELUIA OLIVEIRA
Interno - 2222763 - MARIA JOSE NASCIMENTO SOARES
Externo à Instituição - MARIO ANDRE TRINDADE DANTAS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2023 - UFRN v3.5.16 -r18303-e3ba61daf4