UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 18 de Junho de 2024

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: VICTOR WLADIMIR CERQUEIRA NASCIMENTO
05/02/2016 08:21


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VICTOR WLADIMIR CERQUEIRA NASCIMENTO
DATA: 19/02/2016
HORA: 09:00
LOCAL: sala de aula do PPGED
TÍTULO: "ARQUEOLOGIA COMO PEDAGOGIA DA HISTÓRIA NOS PRIMEIROS ESCRITOS DE MICHEL FOUCAULT"
PALAVRAS-CHAVES: Michel Foucault. Arqueologia. Pedagogia da História. Historiografia. Antropologia.
PÁGINAS: 119
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
RESUMO:

Esta dissertação tem como objetivo analisar os princípios basilares da pedagogia da história de Michel Foucault no “período arqueológico”, que se desenvolve nos escritos da década de 1960 e cujo marco inicial é História da loucura (1961). Utiliza-se como fontes primárias as obras, artigos, conferências, entre outros escritos do autor produzidos até 1961; como fonte secundária, a tradição de comentadores e biógrafos. Na primeira seção, busca-se elaborar introdutoriamente, a partir de uma reflexão que se encontra dispersa na obra do autor, o sentido de uma pedagogia da história, ou seja, esclarecer qual a sua concepção de história e o papel que ela cumpre na formação de pessoas. Na segunda seção, parte-se das problematizações que surgem do confronto dos escritos do filósofo francês e a educação, das apropriações que pedagogos fazem de sua obra, para se fazer um balanço crítico dessa tradição. A terceira seção é uma revisão de literatura da forma como o campo historiográfico analisa a obra de Foucault, atribuindo-lhe os mais diversos rótulos (mentalidades, história cultural, etc.) e retirando a especificidade da arqueologia. A quarta seção demonstra como o regime de historicidade emerge na obra de Foucault através de um intenso debate entre a fenomenologia, a história das ciências, particularmente na história da psicologia e a psicanálise. Esse debate se constitui como ponto de partida para uma interpretação particular que o autor faz da filosofia kantiana, presente em sua tese complementar Gênese e estrutura da Antropologia de Kant (1961), e que estabelece os princípios fundamentais de seu percurso historiográfico. A quinta seção faz uma análise de como esses princípios passam a dar corpo ao método arqueológico em História da loucura(1961), demonstrando como a história, por um lado, opera um sistema de exclusão que tem por base o racionalismo da cultura ocidental e, por outro, evidencia uma estrutura discursiva e de práticas sociais de um período histórico – longe de ser uma história do progresso contínuo e de humanização através da aquisição da “verdade científica”, a história apresenta descontinuidades, estruturas, discursos que revelem as condições de possibilidade do saber de uma época. A última seção conclui que a emergência do programa arqueológico se coloca num intenso debate entre a história das ciências, a fenomenologia e o estruturalismo, sendo que a pedagogia da história foucaultiana opera, a partir do a priori histórico e da descrição do arquivo, uma crítica radical da antropologia filosófica e de seu correlato historiográfico, centrado na ideia de sujeito da história – ao invés de constitutivo da história, o homem é antes constituído por ela.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2176979 - ANAMARIA GONCALVES BUENO DE FREITAS
Presidente - 8426714 - ITAMAR FREITAS DE OLIVEIRA
Externo à Instituição - TEMISTOCLES AMÉRICO CORREOA CEZAR

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2024 - UFRN v3.5.16 -r19279-bcba364a3c