UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: DÉBORA CRISTINA FONTES LEITE
04/02/2016 11:18


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DÉBORA CRISTINA FONTES LEITE
DATA: 04/03/2016
HORA: 08:00
LOCAL: Núcleo de Pós Graduação em Ciências da Saúde
TÍTULO: Estudo dos indivíduos heterozigotos para doença falciforme identificados na triagem neonatal em Sergipe
PALAVRAS-CHAVES: Hemoglobinopatias, Traço Falciforme, Triagem Neonatal, Distribuição Espacial, Orientação Genética
PÁGINAS: 45
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
SUBÁREA: Saúde Materno-Infantil
RESUMO:

As hemoglobinopatias são alterações genéticas de alta frequencia populacional. Com a triagem neonatal identificamos tanto os casos homozigotos (doentes), quanto os heterozigotos (portadores sadios).O presente estudo tem como objetivo identificar a distribuição espacial da presença do portador de HbS em Sergipe a partir da triagem neonatal universal e avaliar o conhecimento a respeito das hemoglobinopatias dos familiares dos recém-nascidos heterozigotos na entrega dos resultados da triagem neonatal. A amostra estudada constituiu-se de todos os indivíduos nascidos em Sergipe, de outubro de 2011 a outubro de 2012, e que tenham sido submetidos à triagem neonatal pelo Sistema Único de Saúde. A análise da distribuição espacial dos indivíduos heterozigotos para hemoglobinopatias foi realizada através do coeficiente de correlação de Pearson, coeficiente de correlação ponto bisserial, coeficiente de correlação de Kendall e autocorrelação espacial. Dentre os 32.906 exames realizados, 1.202 apresentaram alguma alteração do padrão da hemoglobina. Observou-se que municípios com mais elevadas incidências de heterozigotos também tinham maior proporção de população negra ou parda em relação aos brancos. Na análise da distribuição de heterozigotos no estado de Sergipe, realizada pela autocorrelação, observou-se correlação espacial a cada conjunto de três municípios vizinhos (p=0,048), identificando 20 regiões no estado com maior frequência.Dentre os municípios com maior incidência de heterozigotos, seis possuem comunidades quilombolas até os dias atuais.Aracaju foi a cidade com maior participação em número de casos, representando 27,9% do total, justificando o maior número de alterações da hemoglobina (23%), seguida das cidades circunvizinhas, como Nossa Senhora do Socorro e São Cristóvão. Os exames provenientes dessas três cidades representam 39,1% das amostras deste estudo, e juntas representam 35,7% das alterações das hemoglobinas em Sergipe. Dos 1.202 indivíduos identificados com alteração da hemoglobina apenas 290 familiares compareceram a orientação genética. Os conhecimentos da população estudada a respeito das hemoglobinopatias são limitados. Mesmo sabendo da necessidade de realização da triagem neonatal, grande parte dos entrevistados desconhecem quais são as doenças pesquisadas pelo exame. Entretanto, apesar do obstáculo decorrente do nível de escolaridade, conseguiram assimilar informações com a estratégia utilizada.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 426673 - RICARDO QUEIROZ GURGEL
Interno - 3545451 - PAULO RICARDO SAQUETE MARTINS FILHO
Externo ao Programa - 426251 - ANTONIO CARVALHO DA PAIXAO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5