UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 18 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: ANNIE CAROLINA ARAÚJO DE OLIVEIRA
29/01/2016 13:37


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANNIE CAROLINA ARAÚJO DE OLIVEIRA
DATA: 26/02/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 2 do PPGAGRI
TÍTULO: Morfogênese e calogênese in vitro em jenipapeiro (Genipa americana L.).
PALAVRAS-CHAVES: Recurso genético vegetal; propagação in vitro; metabolismo secundário; geniposide
PÁGINAS: 99
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

A cultura de tecidos vegetais tem-se mostrado eficaz na multiplicação, conservação e produção de metabólitos secundários. O jenipapeiro (Genipa americana L.), da família Rubiaceae destaca-se pela pluralidade de usos, seja como essência florestal, produção de frutos ou na medicina tradicional. Quimicamente, essa espécie é caracterizada pela presença de iridóides. Esse trabalho foi dividido em duas partes. A primeira objetivou estudar os efeitos das concentrações de ANA (0,0; 0,2; 0,4 e 0,6 mg L-1) em combinação com 1,0 mg L-1 de BAP na morfogênese in vitro de embriões zigóticos inteiros e eixos embrionários de jenipapeiro do acesso Núcleo Bandeirante (NB). Aos 30 dias, observou-se que é possível a regeneração in vitro de jenipapeiro a partir da conversão de embriões inteiros em meio MS suplementado com 0,6 mg L-1 de ANA. O maior comprimento da parte aérea, número de folhas e de raízes foram obtidas em meio isento de ANA. O aumento progressivo na concentração de ANA induz a formação de calos compactos, principalmente no segmento eixo embrionário. A regeneração via organogênese direta não foi observada. A segunda parte do trabalho, refere-se a à dinâmica de crescimento celular de calos e análise fitoquímica de extratos de jenipapeiro. Calos foram induzidos a partir de segmentos foliar e nodal dos acessos NB, SA e SAL, aos quais foram cultivados em meio MS suplementado com 0,0; 2,0; 4,0; 6,0 e 8,0 mg L-1 de 2,4-D. Para os explantes foliares foi acrescido 1,77 mg L-1 de BAP ao meio. Os resultados obtidos indicam que é possível induzir calos a partir de segmentos foliares de jenipapeiro utilizando-se 2,0 mg L-1 de 2,4-diclorofenoxiacético (2,4-D) em combinação com 1,77 mg L-1 de BAP, para os três acessos testados. Calos produzidos a partir de segmentos nodais apresentaram respostas diferenciadas entre os acessos, sendo a concentração de 4,0 mg L-1 de 2,4-D ideal para os acessos NB e SA, e a concentração de 2,0 mg L-1 de 2,4-D, melhor para o acesso SAL. O tempo de 60 dias não foi suficiente para reconhecimento de todas as fases de crescimento para ajuste da curva, para ambos os explantes. Extratos metanoicos foram obtidos a partir dos calos e usados para análise antibacteriana e anti-oxidante.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 523.499.506-20 - ANA DA SILVA LEDO
Interno - 461.265.383-15 - ANA VERUSKA CRUZ DA SILVA MUNIZ
Externo à Instituição - RICARDO ELESBÃO ALVES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16088-62c448d53e