UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARCOS ANTONIO COSTA DE ALBUQUERQUE
11/12/2015 10:37


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARCOS ANTONIO COSTA DE ALBUQUERQUE
DATA: 20/01/2016
HORA: 09:00
LOCAL: sala 27 Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: Tendência secular de mortalidade por doenças infecciosas no Estado de Sergipe
PALAVRAS-CHAVES: Doenças infecciosas; mortalidade; tendência;Joinpoint
PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

A magnitude do estudo proporciona a análise de mortalidade por doenças infecciosas em um período de 34 anos no Estado de Sergipe. Os objetivos foram determinar a tendência secular de mortalidade por doenças infecciosas no Estado de Sergipe, determinar o impacto causado pelas doenças infecciosas, identificar as doenças infecciosas de maior mortalidade e determinar o impacto causado pelas doenças infecciosas negligenciadas. A metodologia foi referenciada em estudos ecológicos de séries temporais, enfocando os cálculos de mortalidade por meio de coleta de dados secundários obtidos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação e do Sistema de Informação sobre Mortalidade do Estado de Sergipe, da Secretaria de Estado da Saúde. As análises das tendências foram calculadas pelo Joinpoint Regression Program do National Cancer Institute, USA. Merece destaque no estudo as doenças tropicais negligenciadas que são responsáveis por taxas consideráveis de mortalidade, com maior evidência a esquistossomose, doença de Chagas e leishmanioses. A tuberculose apresentou no gênero masculino tendência crescente de mortalidade significativa, enquanto que no feminino ocorreu decréscimo. A AIDS apresentou tendências crescentes da incidência e da mortalidade, com exceção de alguns grupos etários específicos. Necessitamos rever as medidas de controle da AIDS, particularmente no tocante à prevenção, ao diagnóstico precoce e à assistência aos soropositivos do estado. Faz-se necessário um olhar dos gestores sobre as doenças infecciosas, visando criar novas estratégias nos campos de vigilância epidemiológica, terapêutica e acompanhamento desses pacientes, para não se perder o controle sanitário, e dessa forma minimizar os riscos à população exposta.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 426692 - ANTONIO CARLOS SOBRAL SOUSA
Externo à Instituição - CARLOS ANSELMO LIMA
Interno - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5