UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: SIMONE SANTANA VIANA
15/10/2015 09:59


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SIMONE SANTANA VIANA
DATA: 13/11/2015
HORA: 08:30
LOCAL: sala 27 Centro de Pesquisas Biomédicas HU
TÍTULO: MORTALIDADE POR LEUCEMIA LINFOIDE AGUDA: RESULTADOS DE UMA COORTE DE 35 ANOS NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL
PALAVRAS-CHAVES: LEUCEMIA LINFOIDE AGUDA, MORTALIDADE, INFECÇÃO.
PÁGINAS: 53
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

INTRODUÇÃO. A leucemia linfoide aguda (LLA) é a neoplasia mais comum da infância. Protocolos terapêuticos multicêntricos, tornaram a LLA uma doença curável. As taxas de cura chegam a aproximadamente 90% nos países desenvolvidos. No entanto, estes resultados não se repetem em países em desenvolvimento, onde vivem mais de 80% das crianças afetadas pela doença e nos quais as taxas de sobrevida, muitas vezes, não atingem 35%. OBJETIVO Avaliar a tendência secular da mortalidade por LLA em crianças que vivem em Sergipe, estado da região nordeste do Brasil, e sua associação com variáveis metabólicas e as relacionadas ao nível socioeconômico.MÉTODO.Foram avaliados pacientes que tinham menos de 19 anos de idade e que foram tratados no serviço de referência do estado de Sergipe. A amostra foi composta por dois grupos de pacientes do serviço público de saúde: pacientes tratados 1980-2004 (coorte A) e 2005-2014 (coorte B). Os resultados foram comparados com os de pacientes tratados em um serviço privado para o tratamento do câncer pediátrico disponíveis na região, de 2005 a 2014 (coorte C). Duas categorias de variáveis foram consideradas neste estudo: biológica e socioeconômica. Em 111 pacientes foram coletados exames laboratoriais durante a fase de indução da remissão, nos dias de quimioterapia programados: glicemia no primeiro (D1), oitavo (D8), décimo quinto (D15), vigésimo segundo (D22), vigésimo oitavo (D28) e quadragésimo segundo (D42) dias de tratamento; as transaminases hepáticas estudadas foram alanina amino transaminase (ALT) e aspartato amino transaminase (AST) e os lipídeos séricos foram colesterol total e triglicérides, os quais, juntamente com amilase pancreática sérica, foram avaliados nos primeiro (D1) e no último dia da indução da remissão. (D42). RESULTADOS. Foram analisados 412 pacientes, que foram divididos em três coortes (coorte A: 287 pacientes, coorte B: 106 pacientes e coorte C: 19 pacientes). As taxas de mortalidade para as três coortes foram significativamente diferentes: 57,5% no grupo A, 45,3% no grupo B e 26,3% no grupo C (p = 0,006). A mortalidade durante a indução em coorte B foi de 22,6%, enquanto no grupo C não ocorreram óbitos durante esta fase (p = 0,041). Os pacientes que vivem em áreas rurais tiveram maiores taxas de mortalidade (p = 0,036) Em 112 pacientes foram avaliados a relação entre as alterações da glicemia, lipídeos séricos e transaminases hepáticas e sua relação com mortalidade nas fases de indução e pós-indução. Não foi encontrada nenhuma relação significativa entre óbitos na fase de IR e alterações das enzimas hepáticas ou presença de hiperglicemia, porém a proporção de óbitos na fase pós-indução foi mais elevada entre os pacientes que apresentaram hiperglicemia na indução da remissão (p=0,025).CONCLUSÃO: A redução das mortes por infecção durante a indução parece ser o ponto de partida para melhorar as chances de crianças e adolescentes com ALL em qualquer lugar do mundo


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1306129 - ELENILDE GOMES SANTOS
Externo à Instituição - LUIZ GONZAGA TONE
Externo à Instituição - NIVALDO FARIAS VIEIRA
Presidente - 577945 - ROSANA CIPOLOTTI
Interno - 1496951 - SILVIA DE MAGALHAES SIMOES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5