UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 20 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARCELA PRADO MENDONÇA
26/09/2015 14:50


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARCELA PRADO MENDONÇA
DATA: 08/10/2015
HORA: 14:00
LOCAL: PPGCOM - Prédio do Departamento de Comunicação
TÍTULO: A cobertura das ‘jornadas de junho’ pelo coletivo Mídia Ninja: uma experiência de subversão do jornalismo
PALAVRAS-CHAVES: estratégias de subversão do jornalismo; contracomunicação; movimentos sociais; repertórios de ação em rede; apropriações tecnológicas;
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Comunicação
SUBÁREA: Jornalismo e Editoração
ESPECIALIDADE: Teoria e Ética do Jornalismo
RESUMO:

Este estudo tem como objetivo analisar a experiência de “subversão” do jornalismo proposta e empreendida pelo coletivo Mídia Ninja, durante as manifestações de protesto realizadas no Brasil, em 2013, conhecidas como “jornadas de junho”. Segundo seus idealizadores, o Mídia Ninja surge em resposta à “crise existencial” do jornalismo brasileiro, com a proposta de subverter o modelo comercial e vertical dominante nessa prática profissional. Nessa direção, realiza cobertura telejornalística das manifestações utilizando câmeras de celulares, ipads, tablets e notebooks pessoais conectados à Internet. Todo o conteúdo produzido foi transmitido ao vivo por sites de redes sociais, sobretudo o Twitcasting e o Youtube, com apoio de moradores dos locais onde aconteciam as manifestações, que eram solicitados a compartilhar o sinal de internet com os integrantes do coletivo. Os dados até agora obtidos por meio de documentos e vídeos disponíveis indicam que o Mídia Ninja realizou uma contracomunicação em rede, que despertou intenso debate na mídia comercial. A análise tem como base conceitual a noção de “estratégias de subversão”, de Pierre Bourdieu, aplicada ao jornalismo como campo profissional e como um campo de disputas discursivas, com função estratégica no desenvolvimento do capitalismo. Entende-se essa “subversão” ao mesmo tempo como um fim e como processo operacionalizado pelos “repertórios de ação” do coletivo Mídia Ninja, que incluem apropriações das tecnologias digitais, novas formas de recrutamento e de organização do trabalho jornalístico, bem como inovação nas formas de financiamento da equipe e suas operações. Ao romper com as “rotinas produtivas”, os referenciais de objetividade e de verdade, as técnicas de edição, as relações funcionais hierarquizadas, a comunicação unidirecional e a lógica comercial do jornalismo, o Mídia Ninja busca subverter o próprio ethos do campo. Além da revisão de literatura sobre os conceitos-chave para a compreensão deste complexo e controverso objeto, a pesquisa adotará procedimentos metodológicos da análise documental (com base em registros sobre a trajetória do Mídia Ninja até 2014), da análise de conteúdo (nos vídeos remanescentes das transmissões em streaming durante as “jornadas de junho”) e da etnografia (entrevistas em profundidade com as lideranças e praticantes do coletivo).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 308938 - SONIA AGUIAR LOPES
Interno - 2212799 - VERLANE ARAGAO SANTOS
Externo ao Programa - 1195417 - WILSON JOSE FERREIRA DE OLIVEIRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307