UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MICHELI LUIZE BARBOSA SANTOS
18/08/2015 11:48


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MICHELI LUIZE BARBOSA SANTOS
DATA: 02/09/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Auditória Didática I/HU
TÍTULO: Avaliação da resposta imune induzida pelo antígeno recombinante NH36 e suas frações em células de pacientes com Leishmaniose Visceral.
PALAVRAS-CHAVES: Leishmaniose Visceral; Antígeno recombinante NH36; Vacina
PÁGINAS: 75
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

A Leishmaniose Visceral (LV) é uma doença sistêmica causada pelo parasita protozoário do gênero Leishmania que apresenta alta morbidade levando à morte se não tratada. Alguns indivíduos infectados permanecem assintomáticos, enquanto outros desenvolvem a forma clássica da doença, caracterizados por febre, hepatoesplenomegalia, hiperglobulinemia e anemia. LV é uma doença negligenciada e o desenvolvimento de uma vacina é crucial, porém, para que uma vacina efetiva seja alcançada, torna-se necessário a compreensão dos fatores que regulam e participam na proteção durante e após a infecção natural.Trabalhos avaliam a frequência de células Th1 multifuncionais secretoras simultaneamente de INF-g, TNF-α e IL-2 e correlaciona com uma a melhor proteção contra L. major. Além disso, a NH de Leishmania donovani (NH36) é um marcador filogenético de elevada homologia entre os parasitas deLeishmania e é responsável pela sua imunogenicidade e eficácia protetora contra LV murina. O presente trabalho objetivou avaliar in vitro a resposta imune humoral e celular de indivíduos portadores de LV, indivíduos assintomáticos e controles após o estímulo com NH36 e suas frações F1, F2 e F3. PBMCs de pacientes com LV antes (LV AT) e após o tratamento (LV PT), indivíduos assintomáticos (DTH+) e controles foram estimuladas com NH36 e peptídeos recombinantes F1, F2 e F3. Em seguida foram analisadas por citometria de fluxo multiparamétrica para avaliar as combinações de IFN-g, TNF-α e IL-2 em nível de uma única célula. Os sobrenadantes de cultura foram utilizados para avaliação das citocinas por imunoensaio em luminex. Os soros desses pacientes foram utilizados em ensaio de ELISA para avaliar a reatividade contra anticorpos monoclonais IgG1, IgG2, IgG3 e IgG4 após incubação com os antígenos recombinantes. A análise das subpopulações de linfócitos T CD4+ e CD8+demonstrou percentuais semelhantes após estimulação com todos os antígenos recombinantes, exceto nos grupos de pacientes LV AT que tendem a ser menos frequentes em comparação LV PT. A Multiplicação da frequência de células produtoras de uma citocina pela intensidade média de fluorescência (MFI), derivou uma abordagem métrica denominada intensidade de fluorescência integrada (iMFI) que reflete a resposta funcional total de uma população de células produtoras de citocinas. Esta medida evidenciou em CD4+ e CD8+ que o grupo DTH+ tende a apresentar mais proteção funcional em relação aos outros grupos após estímulo com os antígenos. Porém, apesar da diferença entre os grupos, não foi visível diferenças entre os antígenos. Na avaliação das combinações de IFN-y, TNF-a e IL-2, as células simples positivas para (IL-2+, TNF-α+ ou de IFN-γ+) tiveram destaque sobre os outros fenótipos celulares e de forma semelhante entre os grupos. Porém, a fração F2 teve uma tendência maior na indução de células CD4+ e CD8+ produtoras de duas citocinas e três citocinas (multifuncionais) principalmente no grupo DTH+. A avaliação da produção de citocinas revelam que os antígenos, principalmente o F1 e F2, estimulam citocinas inflamatórias como IFN-g, TNF-α, IL-1β, especialmente no grupo DTH+ e LV PT. No ensaio de ELISA foi demonstrado que o principal alvo dos anticorpos foi o F1 sendo este, o domínio que mais concentra os epítopos para as células B reconhecidos principalmente por Ac IgG 2 e 3 que está relacionada com uma resposta voltada para o perfil Th1. Este trabalho conclui que NH36 e suas frações, principalmente F1 e F2 representam uma base para o desenvolvimento racional de vacinas multivalentes contra patógenos NHs-dependentes.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 426722 - ANGELA MARIA DA SILVA
Externo ao Programa - 2191208 - NALU TEIXEIRA DE AGUIAR PERES
Externo ao Programa - 2869587 - PATRICIA RODRIGUES MARQUES DE SOUZA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5