UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: JUCIELE VALERIA RIBEIRO DE OLIVEIRA
11/06/2015 09:57


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JUCIELE VALERIA RIBEIRO DE OLIVEIRA
DATA: 17/06/2015
HORA: 15:00
LOCAL: Universidade Tiradentes - Sala 27, bloco F as 15 :00
TÍTULO: “Atividades antioxidante, anti-inflamatória e neuroprotetora da formononetina in vitro e in vivo”.
PALAVRAS-CHAVES: Antioxidante; Anti-inflamatório; Antinociceptivo; Neuroproteção e Formononetina.
PÁGINAS: 188
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
SUBÁREA: Análise e Controle de Medicamentos
RESUMO:

RESUMO
Formação fisiológica de radicais livres no corpo é importante no metabolismo normal, mas torna-se prejudicial quando há uma formação excessiva destes radicais, causando efeitos deletérios para as células. A própolis vermelha, uma nova variedade brasileira deste apimaterial, apresentou uma composição química incomum, incluindo isoflavonas como formononetina e biochanina A. Desta forma, demonstra-se a ação antioxidante do composto majoritário da própolis vermelha sergipana, a formononetina. Entre os métodos usados ​​para determinar a atividade antioxidante em extratos e substâncias isoladas, os métodos de radical livre DPPH, ABTS e FRAP foram eleitos. Este estudo avaliou a atividade antioxidante in vitro de formononetina em relação às vitaminas A, E e C, isoladas e combinadas. Encontrou-se uma ação antioxidante significativa de formononetina e a combinação de vitaminas mostrou forte sinergismo. A atividade biológica antinociceptiva da formononetina (10 mg / kg) foi avaliada usando injeções de ácido acético, formalina, glutamato; já a anti-inflamatória foi verificada em edema de pata traseira e peritonite, em modelo animal, induzida por carragenina, O pré-tratamento com formononetina (10 mg / kg) produziu uma redução (P <0,001) do número de contorções abdominais, inibição (P <0,001) da segunda fase de nocicepção induzida por formalina. Na resposta induzida pelo modelo glutamato, a formononetina (P <0,001) inibiu a nocicepção. Quanto à avaliação anti-inflamatória, causou inibição significativa da resposta ao edema, e também inibiu a migração de leucócitos induzida por carragenina. Adicionalmente, Foi verificada atividade neuroprotetora da formononetina em modelo experimental da doença de Parkinson (DP), utilizando técnica de imunohistoquímica para análise das modificações nos encéfalos e testes de comportamento para análise funcional em roedores (P <0,001). Portanto, a formononetina apresentou atividade neuroproterora significativa, além de apresentar ação anti-inflamatória e antinociceptiva na dor inflamatória e neurogênica.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 690.948.450-91 - FRANCINE FERREIRA PADILHA
Externo à Instituição - JULIANA CORDEIRO CARDOSO
Presidente - 138.707.468-74 - MARGARETE ZANARDO GOMES
Interno - 849.876.344-49 - RICARDO LUIZ CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE JUNIOR
Interno - 1547944 - SARA MARIA THOMAZZI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5