UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 22 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: FERNANDO KENJI NAMPO
08/06/2015 10:43


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FERNANDO KENJI NAMPO
DATA: 18/06/2015
HORA: 08:00
LOCAL: sala de aula 27 Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: Efeito da fototerapia de baixa intensidade na capacidade de exercício, proteção e recuperação do músculo esquelético: revisão sistemática com metanálise.
PALAVRAS-CHAVES: Descritores: Terapia a laser de baixa intensidade; fototerapia; fadiga muscular; exercício; mialgia.
PÁGINAS: 82
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

CONTEXTO: A fototerapia de baixa intensidade é indicada para melhorar o metabolismo energético, o desempenho muscular, proteger a musculatura de lesões provenientes da depleção energética e favorecer a recuperação muscular após o exercício. No entanto, resultados de pesquisas individuais não se mostram concordantes com relação à sua eficácia. OBJETIVOS: Determinar os efeitos da fototerapia de baixa intensidade com Diodos Emissores de Luz (LEDterapia) ou amplificação da luz por emissão estimulada de radiação (Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation, LASERterapia) na capacidade de exercício, proteção e recuperação musculares em pessoas submetidas ao exercício. MÉTODO: Foram realizadas duas revisões sistemáticas com metanálise com base nas recomendações da Colaboração Cochrane e PRISMA statement. Os estudos foram provenientes da Cochrane Central Register of Controlled Trials, MEDLINE, EMBASE, SciELO, PEDro e LILACS até maio de 2014 ou fevereiro de 2015, além da busca manual nas referências dos artigos selecionados. Foram incluídos ensaios clínicos controlados aleatórios, quasi-aleatórios e estudos cruzados nos quais os participantes foram alocados para receber fototerapia de baixa intensidade ou tratamento placebo. RESULTADOS: A primeira revisão sistemática foi composta por 15 estudos totalizando 317 participantes e a segunda revisão sistemática foi composta por 16 estudos com um total de 297 participantes. Comparado ao placebo, a LASERterapia antes do exercício promoveu um aumento no número de repetições (diferença média [mean difference, MD]= 3,52 repetições; intervalo de confiança (IC) 1,24 repetições, 5,80 repetições; P = 0,002), aumento do tempo até a exaustão (MD = 3,23 s; IC 95% = 0,24 s, 6,22 s; P = 0,03), redução nos níveis séricos de lactato (MD = -0,41 mmol/L; IC 95% = -1,34 mmol/L, -0,17 mmol/L; P = 0,0007) e redução nos níveis séricos de creatina quinase (diferença média padronizada [standardized mean difference, SMD] = -0,66; IC 95% = -1,30, -0,02; P = 0,04). A LEDterapia aplicada após o exercício resultou menos dor avaliada pela escala visual analógica (SMD = 0,66; IC 95% = -1,30, -0,02; P = 0,04). Os parâmetros da fototerapia foram heterogêneos entre os estudos e o tamanho da amostra foi definido sem o dimensionamento adequado. CONCLUSÃO: Há moderada evidência de que a fototerapia de baixa intensidade aumenta a capacidade de exercício. Não é possível afirmar que a fototerapia tenha efeitos positivos na lesão muscular e dor secundários ao exercício.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1698148 - ENILTON APARECIDO CAMARGO
Interno - 1656787 - JOSIMARI MELO DE SANTANA
Externo ao Programa - 2034694 - KARINA LAURENTI SATO
Externo ao Programa - 2693948 - MIBURGE BOLIVAR GOIS JUNIOR
Interno - 2013648 - VITOR OLIVEIRA CARVALHO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12692-c69972fb69