UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: TATIANE CRISTINA MARQUES
25/05/2015 12:46


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: TATIANE CRISTINA MARQUES
DATA: 26/05/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Laboratório de Ensino e Pesquisa em Farmácia Social
TÍTULO: PRÁTICAS COLABORATIVAS ENTRE MÉDICOS E FARMACÊUTICOS EM SERVIÇO DE REVISÃO DA FARMACOTERAPIA: AVALIAÇÃO DE INDICADORES DE ESTRUTURA E PROCESSO
PALAVRAS-CHAVES: Revisão da Farmacoterapia, avaliação da qualidade de serviços, indicadores de estrutura e processo, atitudes colaborativas.
PÁGINAS: 132
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
SUBÁREA: Análise e Controle de Medicamentos
RESUMO:

Introdução. As ações colaborativas entre médicos e farmacêuticos podem influenciar positivamente na promoção do uso racional de medicamentos. Em outros países, serviços clínicos farmacêuticos, como a Revisão da Farmacoterapia, possibilitam a integração de médicos e farmacêuticos aprimorando as práticas de cuidado ao paciente. Nesse sentido, o estudo da qualidade de serviços de saúde pode ser importante para que os diversos serviços de atenção à saúde, como a Revisão da Farmacoterapia, promovam a renovação da cultura de trabalho interdisciplinar. Entretanto, a avaliação da qualidade de serviços de Revisão da Farmacoterapia no Brasil ainda é incipiente e precisa ser implementada em cenários que visem aprimorar as práticas de cuidado ao paciente. Objetivo. Avaliar indicadores de estrutura e de processo de um Serviço de Revisão da Farmacoterapia colaborativo entre médicos e farmacêuticos do ambulatório de um Hospital Universitário no Nordeste do Brasil. Metodologia. O estudo foi estruturado em três etapas, de fevereiro de 2012 a março de 2015. A primeira correspondeu a uma pesquisa de desenvolvimento metodológico, na qual indicadores de estrutura e processo foram reunidos da literatura nacional e internacional para serem utilizados na avaliação do Serviço de Revisão da Farmacoterapia. A segunda etapa correspondeu tradução para o português e adaptação transcultural para o Brasil da Scale of Attitudes Toward Physician-Pharmacist Collaboration (SATP2C). A terceira etapa correspondeu a um estudo longitudinal que avaliou o processo de um modelo colaborativo de serviço de Revisão da Farmacoterapia no ambulatório de um Hospital Universitário de Sergipe. Resultados. A partir da literatura (etapa 1) foram levantados, no estudo, 28 indicadores de estrutura divididos nos critérios: instalações físicas, recursos humanos, recursos materiais, documentação e financiamento. A avaliação dos indicadores de estrutura do serviço de Revisão da Farmacoterapia do ambulatório estudado revelou que o mesmo atendeu a maioria dos critérios apresentados. Quanto ao processo foi possível reunir 54 indicadores divididos em duas categorias: 21 indicadores técnico-gerencias e 33 técnico-assistenciais. Da segunda etapa resultou uma escala traduzida e adaptada para o português do Brasil usada para avaliar as atitudes colaborativas de farmacêuticos e médicos. Na terceira etapa, a análise do serviço de Revisão da Farmacoterapia verificou que 146 pacientes foram atendidos em média 2,1±1,1 vezes durante o estudo. As prescrições médicas desses pacientes continham 3,3±1,9 medicamentos e 24,5% das mesmas tinham cinco ou mais medicamentos. No estudo foram identificados 366 problemas farmacoterapêuticos (PRMs) sendo a maioria de necessidade (67,5%) e foi observado que os pacientes que tiveram 4 a 5 atendimentos farmacêuticos tem 1,14 vezes mais probabilidade de terem seus PRMs identificados (c2= 33,83; p<0,0001). Ademais, a análise demonstrou que os pacientes que tiveram entre 1 a 2 atendimentos farmacêuticos apresentaram 1,22 vezes mais probabilidade de não terem seus PRMs resolvidos quando comparado ao grupo com mais de 3 atendimentos farmacêuticos (c2= 3,44; p<0,05). Neste estudo ainda foram notificadas 173 intervenções farmacêuticas, das quais 52,6% foram destinadas aos médicos, 46,2% aos estudantes de Medicina e a maioria dela (98,7%) foram aceitas. Conclusão. Os indicadores de estrutura e processo reunidos podem ser utilizados para avaliar o desempenho do Serviço de Revisão da Farmacoterapia. O farmacêutico pode colaborar com os médicos identificando e resolvendo PRMs, bem como auxiliando no monitoramento e na tomada de decisão sobre a farmacoterapia, beneficiando o paciente.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 949.166.594-49 - ALFREDO DIAS DE OLIVEIRA FILHO
Interno - 2030649 - MAIRIM RUSSO SERAFINI
Interno - 285906 - ROQUE PACHECO DE ALMEIDA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5