UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: CLIOMAR ALVES DOS SANTOS
23/04/2015 09:40


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CLIOMAR ALVES DOS SANTOS
DATA: 08/05/2015
HORA: 08:30
LOCAL: sala de aula 27 Centro de Pesquisas Biomédicas/HU
TÍTULO: Mecanismo de Ação Anticonceptiva do Extrato Etanólico da Entrecasca da Caesalpinia Pyramidalis
PALAVRAS-CHAVES: antinocicepção; dor; mecanismo de ação;produtos naturais; plantas medicinais;Caesalpinia pyramidalis
PÁGINAS: 125
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A dor é descrita como uma experiência sensorial e emocional desagradável associada a dano real ou potencial. A propagação do estímulo doloroso se inicia com a ativação dos nociceptores e pode promover liberação de substâncias ou mediadores no sistema nervoso central e/ou periférico. Um screening farmacológico mostrou que o extrato etanólico (EE) da Caesalpinia pyramidalis reduz o comportamento de nocicepção nos testes de contorções abdominais, formalina e placa quente em camundongos. Com o objetivo de avaliar o mecanismo de ação do EE da C. pyramidalis, foi utilizado o teste das contorções abdominais. Para a escolha da dose, camundongos (n = 6/grupo) foram pré-tratados com EE da C. pyramidalis (10, 30 ou 100 mg/kg, v.o.), veículo (Tween 80 a 0,2% em salina, 10 mL/Kg, v.o.) ou ácido acetilsalicílico (AAS, 300 mg/kg, v.o.) 1 hora antes da administração do ácido acético (0,6%, 0,1 mL/10 g, i.p.). O número de contorções abdominais foi menor quando os animais receberam as doses de 30 e 100 mg/kg (p < 0,001), de maneira dose-dependente, quando comparadas às observadas nos animais que receberam veículo, escolhendo-se a dose de 30 mg/kg (v.o.) para este estudo. Quinze min ou 24 h (participação dos estoques endógenos de aminas bioativas) antes do tratamento, diferentes grupos de animais receberam L-arginina (participação dosistema L-arginina/NO, 600 mg/kg, i.p.), azul de metileno (participação do GMPc/NO, 20 mg/kg, i.p.) ou glibenclamida (participação dos canais K+ATP, 3 mg/kg, i.p.) ou ainda os antagonistas atropina (participação do sistema colinérgico-muscarínico, 0,1 mg/kg, i.p.), prazosina (participação dos α1-adrenoceptores, 0,15 mg/kg, i.p.), ioimbina (participação dos α2-adrenoceptores, 0,15 mg/kg, i.p.), haloperidol (participação dos receptores dopaminérgicos, 2 mg/kg, i. p.), cafeína (participação dos receptores adenosinérgicos, 3 mg/kg), flumazenil (participação dos receptores gabaérgicos, 3 mg/kg) ou o inibidor da receptação de monoaminas, a reserpina (5 mg/kg, i.p.), após esta administração, estes grupos de animais (n = 8/grupo) foram tratados com o EE da C. pyramidalis (30 mg/kg, v.o.), veículo, L-NOARG (inibidor da NOS, 75 mg/kg, i.p.), os agonistas acetilcolina (receptores muscarínicos, 1 mg/kg, i.p.), fenilefrina (α1-adrenoceptores, 1 mg/kg, i.p.), clonidina (α2-adrenoceptores), adenosina (receptores adenosinérgicos), diazepam (receptores gabaérgicos) ou clomipramina (inibidor da receptação neuronal de monoaminas, 10 mg/kg, i.p.). Sessenta min após os diferentes tratamentos realizou-se o teste das contorções abdominais. Outros grupos de animais, 60 min antes da injeção da capsaicina ou glutamato, receberam a administração de veículo, doses de 10, 30 ou 100 mg/kg do EE da C. pyramidalis e, 30 min antes, receberam a administração da morfina (3 mg/kg) afim de serem submetidos aos testes da capsaicina (20 μL, 1,6 μg/pata) ou glutamato (20 μL, 20μmol/pata). Todos os controles do experimento funcionaram conforme ação farmacológica esperada, observando-se as respectivas reversões do efeito antinociceptivo, ao se comparar os animais que receberam os diferentes tratamentos com as drogas utilizadas. Observou-se uma redução do tempo lambida/mordida na dose de 100 mg/kg no teste da capsaicina (P < 0,05) e em todas as doses no teste do glutamato (P < 0,01). Conclui-se que o EE da C. pyramidalis apresenta seu efeito antinociceptivo, agindo de maneira sinérgica nas vias dos sistemas L-arginina/NO, GMPc/NO, canais de K+ sensíveis ao ATP, colinérgico-muscarínico, α2-adrenérgico e gabaérgico, além de envolver a participação do glutamato e capsaicina no efeito antinociceptivo.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1698148 - ENILTON APARECIDO CAMARGO
Interno - 1656787 - JOSIMARI MELO DE SANTANA
Interno - 3571566 - JULLYANA DE SOUZA SIQUEIRA QUINTANS
Externo ao Programa - 2379377 - ROSILENE MORETTI MARCAL
Presidente - 1547944 - SARA MARIA THOMAZZI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307