UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 28 de Janeiro de 2023

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


Notícias

Banca de DEFESA: LUCIANA GODINHO NERY GOMES
26/02/2015 15:14


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUCIANA GODINHO NERY GOMES
DATA: 27/02/2015
HORA: 17:00
LOCAL: Auditório de Pólo de Pós-Graduação da UFS
TÍTULO: Solo argiloso das margens de rios tropicais como habitat e principal fonte da concentração de Escherichia coli na coluna d’água
PALAVRAS-CHAVES: Escherichia coli, crescimento de população, solo da margem, coluna d’água, esgoto doméstico.
PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Ciências Ambientais
RESUMO:

Doenças causadas pela contaminação fecal são uma das maiores causas de mortalidade. Patogênicos fecais matam mais de 2 milhões de pessoas por ano, sendo responsável por 17% das mortes de crianças com até 5 anos de idade nos países em desenvolvimento. No Brasil, onde mais de 60% do esgoto gerado é lançada sem tratamento no meio ambiente, a situação é alarmante: 400.000 hospitalizações e 30.000 mortes/ano. A bactéria Escherichia coli e o gênero Enterococci são reconhecidos, entre outros países, pelos EUA, Canadá, União Europeia, Austrália, Japão e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como os únicos indicadores de contaminação fecal. No Brasil os coliformes fecais (CF) são aceitos como indicador, mesmo após insistentes estudos da U. S. EPA sobre a ausência de relação de CF e doenças gastrointestinais. Na década de 90 houve uma forte discussão entre o governo dos EUA e alguns pesquisadores desse país através de importantes publicações sobre avaliação dessa bactéria como indicador de contaminação fecal, ficando bem claro, ao final da década, que E. coli é o melhor indicador de contaminação fecal existente. Contudo, na década de 2000, importantes estudos dos Estados Unidos e Japão, constataram que essa bactéria tem se adaptado ao meio ambiente passando a ser um organismo autóctone da microbiota do solo. Até 2013 as pesquisas se intensificaram nos Estados Unidos. O presente estudo tem por objetivo de avaliar a eficiência de E. coli como indicador de contaminação fecal nas condições ambientais do Brasil, identificando a origem de sua concentração na água do rio, a relação quantitativa entre sua concentração no solo da margem e na coluna d’água e estabelecendo a relação física de habitat da bactéria no solo e na água. Para isso, foi identificada uma área de estudo sem poluição fecal, em trecho do Rio Sergipe onde a Bacia Hidrográfica a montante não foi antropizada por sedes de Municípios, fazendas, agricultura ou pecuária. Foram coletadas amostras de água e do solo da margem em três pontos amostrais. A quantificação de E.coli foi feita através do procedimento de filtração em membrana utilizando meio de cultura Endo. As coletas foram realizadas entre eventos de chuvas intensas e após períodos de estiagem. Foram utilizados modelos matemáticos de simulação da distribuição espacial-temporal de concentração da bactéria na água considerando sua concentração no solo da margem, a partir da equação de convecção-difusão. Os resultados mostram uma ocorrência natural de E. coli no solo com altas concentrações que, segundo os modelos matemáticos utilizados, são a fonte de entrada de E. coli na coluna d’água do rio. Há uma forte relação da bactéria com a partícula de argila. Os resultados deste estudo dão suporte à hipótese de naturalização de E. coli e de altas concentrações desta bactéria no solo úmido em condições tropicais e acrescentam dados sobre a análise das concentrações deste indicador para esta região, sobre a ecologia deste importante indicador ambiental e sobre métodos de coleta e análises qualitativas e quantitativas para o mesmo. Por não haver outro indicador fecal melhor do que E. coli, as técnicas de coleta e de análise de sua concentração em corpos d’água devem ser urgentemente reavaliadas para uma utilização correta deste indicador em determinadas situações, conforme as sugestões desta tese.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 388007 - ADAUTO DE SOUZA RIBEIRO
Externo ao Programa - 1079226 - ALEXANDRE LUNA CANDIDO
Externo à Instituição - JOAO SAMPAIO D AVILA
Externo ao Programa - 1542165 - JOSE JAILTON MARQUES
Externo à Instituição - TÚLIO VINICIUS PAES DANTAS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2023 - UFRN v3.5.16 -r18277-8067e35817