UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Junho de 2021


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: CAMILLA SANTOS ALMEIDA
06/02/2015 18:11


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAMILLA SANTOS ALMEIDA
DATA: 25/02/2015
HORA: 09:00
LOCAL: A definir
TÍTULO: Estratégias de forrageamento de cupins em relação à disponibilidade de recursos
PALAVRAS-CHAVES: Térmitas, Área de forrageio, Agressividade, Comportamento
PÁGINAS: 20
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Ecologia
SUBÁREA: Ecologia de Ecossistemas
RESUMO:

A distribuição dos animais pode ser modulada por suas respostas comportamentais frente à variação na disponibilidade de recursos. Tal variação na oferta de recursos pode interferir, por exemplo, na sobreposição de dieta entre diferentes organismos, na sobreposição de áreas de uso e na agressividade dos mesmos. Embora padrões de forrageio sejam estudados para diversos animais, pouco se sabe sobre as estratégias de forrageio em cupins. Uma vez que esses insetos apresentam alto esforço durante a busca por recursos, através da construção de túneis e galerias, espera-se que tais organismos apresentem estratégias comportamentais frente às variações na disponibilidade de recursos. Entender como os cupins respondem a essas variações pode contribuir para maior entendimento do funcionamento dos ecossistemas tropicais, devido à sua grande importância ecológica na ciclagem de nutrientes e manutenção da riqueza de outras espécies. Assim, nesse projeto temos como objetivo compreender as estratégias de forrageamento dos cupins diante das alterações na disponibilidade de recursos local. Para isso, serão testadas as seguintes hipóteses: i) As colônias de cupins utilizam menor área de forrageamento em habitats de alta disponibilidade de recursos quando comparado aos habitats de baixa disponibilidade; ii) Há maior sobreposição de área de forrageio das colônias de cupins em habitats de baixa disponibilidade de recursos, quando comparado aos de alta disponibilidade; iii) O comportamento de agressividade dos cupins é modulado pela disponibilidade de recursos no habitat; iv) As colônias de cupins investem na maior proporção de soldados/operários em situação de alta oferta de recursos. Para observar a regulação das áreas de forrageio e a sobreposição espacial das colônias, serão realizados experimentos manipulativos, em campo na Reserva Biológica Santa Isabel (Sergipe), simulando um gradiente com sete níveis de disponibilidade de recursos. Serão estabelecidos sete grids de 32 x 32m, subdivididos em nove subgrids de 10 x 10m. No centro de cada subgrid será implantado um ninho de Nasutitermes sp. Os subgrids serão dispostos de forma que o subgrid central seja circundado por outros oito subgrids periféricos. O gradiente de disponibilidade de recursos consistirá na variação da quantidade e na distância de iscas em relação aos ninhos. O número e tamanho dos túneis das colônais centrais será mensurado ao longo do tempo, assim como as taxas de sobreposição dos túneis destes ninhos centrais em relação aos subgrids periféricos. Para avaliar se a agressividade entre colônias de cupins é modulada pela disponibilidade de recursos, serão avaliadas duas áreas com alta e baixa disponibilidade de recursos na Área de Proteção Ambiental - APA Sul (Sergipe). Será mensurada se há diferenciação na dieta das diferentes colônias através da análise de isótopos estáveis de C e N; e no odor dos indivíduos através da análise de hidrocarbonetos cuticulares. A agressividade intercolonial será observada através de testes de agressividades pareados entre colônias de cada hábitat amostrado. A fim de avaliar se há variação na proporção de operários/soldados nos ninhos provenientes de habitats com diferentes disponibilidades de recursos, serão selecionados 10 ninhos em cada local, onde serão quantificados o número de indivíduos provenitentes de cada casta. Os dados serão submetidos à analise estatística utilizando-se modelos lineares generalizados no software R. Os resultados desse projeto podem contribuir para um maior entendimento dos mecanismos comportamentais reguladores da estrutura de comunidades de cupins.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1861452 - ANA PAULA ALBANO ARAUJO
Interno - 1674021 - LEANDRO DE SOUSA SOUTO
Externo à Instituição - PAULO FELLIPE CRISTALDO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15440-bf36319aa9