UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: INGRID SCHWETER GANDA
05/02/2015 16:08


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: INGRID SCHWETER GANDA
DATA: 24/02/2015
HORA: 14:30
LOCAL: Universidade Tiradentes, sala 17 do bloco F
TÍTULO: Aplicação de dendrímeros de poliamidoamina como nanocarreadores de uma vacina peptídica para prevenção da infecção genital por Chlamydia trachomatis.
PALAVRAS-CHAVES: vacina de subunidade, nanocarreadores de vacinas, poliamidoamina, peptídeos.
PÁGINAS: 89
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Imunologia
SUBÁREA: Imunologia Aplicada
RESUMO:

RESUMO

GANDA, I.S. Aplicação de dendrímeros de poliamidoamina como nanocarreadores de uma vacina peptídica para prevenção da infecção genital por Chlamydia trachomatis. 2015. Tese (Doutorado) – Programa de pós-graduação da Rede Nordeste de Biotecnologia, Aracaju, Sergipe.

Chlamydia trachomatis é uma das bactérias sexualmente transmissíveis mais prevalentes na população mundial. Em geral trata-se de uma infecção assintomática, que pode causar doença inflamatória pélvica (DIP) e infertilidade nas mulheres. A infecção por C. trachomatis também está relacionada a outras doenças como o tracoma (principal causa infecciosa de cegueira no mundo), artrite, pneumonia entre outras. A vacinação é considerada a melhor estratégia para reduzir a prevalência de clamídia, no entanto, ainda não há uma vacina comercial disponível. O peptídeo 4 (Pep4) é um candidato a vacina para Chlamydia, pois imita o epítopo do exoantígeno glicolipídico (GLXA) existente em várias espécies patogênicas do gênero. No entanto, a baixa imunogenicidade das vacinas peptídicas é um dos desafios para seu sucesso. Neste estudo, dendrímeros de poliamidoamina (PAMAM) de geração 4, com grupos terminais -OH (G4OH) foram testados pela primeira vez como nanocarreadores de uma vacina peptídica com o objetivo de ampliar seu potencial imunogênico. Inicialmente, uma reação em 2 etapas promoveu a conjugação do G4OH ao Pep4 através de uma ligação química covalente e degradável em pH ácido. A caracterização do conjugado foi realizada por ressonância magnética nuclear (H1 RMN) e espalhamento de luz dinâmica (DLS). A formulação vacinal foi testada no modelo murino de infecção genital por C. trachomatis. Quatro grupos de animais (n = 8) foram imunizados com: i) solução salina tamponada com fosfato (PBS), ii) Pep4 misturado ao hidróxido de alumínio (Al(OH)3 - adjuvante), iii) G4OH-Pep4 (Pep4 conjugado ao G4OH) e iv) G4OH + Pep4 (Pep4 apenas associado ao G4OH). Após três imunizações subcutâneas, o sangue dos animais foi coletado e os soros avaliados por imunocitoquímica quanto a presença de anticorpos específicos (Ac) para 4 diferentes espécies de Chlamydia (C. trachomatis, C. muridarum, C. pecorum e C. abortus). Os animais imunizados foram desafiados pela inoculação vaginal de C. trachomatis na forma infecciosa e semanalmente a secreção vaginal foi coletada com swabs e avaliada por teste de cultura e por imunofluorescência direta (IFD). Trinta e sete dias após a infecção, os animais foram eutanasiados e o trato genital (TG) coletado para a avaliação anátomo-morfológica e a preparação de lâminas histológicas. Os grupos imunizados com G4OH-Pep4 e G4OH + Pep4 apresentaram mais Ac para Chlamydia que os grupos imunizados com PBS e Pep4 + Al(OH)3, com maior destaque para o conjugado (G4OH-Pep4). Os testes de cultura e IFD apontaram que o conjugado G4OH-Pep4 protegeu significativamente os animais da infecção genital por Chlamydia, reduzindo a carga infecciosa. A análise anátomo-morfológica dos TG dos animais imunizados com G4OH-Pep4 revelou menos sinais inflamatórios, como dilatação, coloração avermelhada e presença de vasos, enquanto a análise histopatológica indicou que esses TG estavam em estágios mais avançados do processo de reparação tecidual quando comparado com os demais grupos. O grupo G4OH+Pep4 também destacou-se por apresentar resultados positivos e muitas vezes superiores ao do grupo Pep4+Al(OH)3, demonstrando um possível efeito adjuvante de G4OH. Em conclusão, os dendrímeros PAMAM G4OH mostraram bons resultados como nanocarreadores de uma vacina peptídica no modelo murino de infecção genital por C. trachomatis. Portanto, PAMAM-OH apresenta-se como uma promissora e flexível plataforma para a entrega de vacinas peptídicas devendo ser aprimorada para a prevenção de clamídia e avaliada na prevenção de outras doenças infecciosas.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2335200 - CHARLES DOS SANTOS ESTEVAM
Externo à Instituição - ELTON FRANCESCHI
Presidente - 690.948.450-91 - FRANCINE FERREIRA PADILHA
Externo à Instituição - JULIANA CORDEIRO CARDOSO
Interno - 138.707.468-74 - MARGARETE ZANARDO GOMES
Externo à Instituição - PATRICIA SEVERINO
Interno - 849.876.344-49 - RICARDO LUIZ CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE JUNIOR

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5