UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: DANIELLE RODRIGUES RIBEIRO
16/01/2015 10:58


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: DANIELLE RODRIGUES RIBEIRO
DATA: 03/02/2015
HORA: 15:00
LOCAL: Universidade Tiradentes - sala 04 Bloco F
TÍTULO: ESTUDO DA ATIVIDADE ANTITUMORAL DA PRÓPOLIS VERMELHA BRASILEIRA
PALAVRAS-CHAVES: extrato hidroalcoólico, própolis vermelha brasileira, atividade antitumoral
PÁGINAS: 113
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Morfologia
SUBÁREA: Histologia
RESUMO:

RIBEIRO, D. R. ESTUDO DA ATIVIDADE ANTITUMORAL DA PRÓPOLIS VERMELHA BRASILEIRA. 2015. 113p. Qualificação da Tese (Pós-Graduação em Biotecnologia, Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO), ponto focal: Universidade Federal de Sergipe (UFS), Aracaju-SE.

Grande Área: Ciências Biológicas

Área/subárea: Morfologia - Histologia

Especialidade: Produtos Naturais

Área de concentração: Biotecnologia em Saúde

Linha de Pesquisa: Desenvolvimento de Agentes Profiláticos, Terapêuticos e Testes Diagnósticos.

Investigou-se o efeito da administração oral do extrato hidroalcoólico da própolis vermelha brasileira (EHPV) em carcinomas de células escamosas orais (CCEOs) induzidos por DMBA em roedores. Os componentes químicos do EHPV foram avaliados por cromatografia líquida ultra- rápida (UFLC). A carcinogênese foi induzida utilizando 9,10-dimetil-1,2-benzantraceno (DMBA) através da aplicação tópica no lábio inferior dos 25 camundongos experimentais; o qual o grupo tumor (TUM1) e (TUM2) foi tratado com solução salina e Tween 80, e os grupos experimentais foram tratados com EHPV nas doses de 10, 50 e 100mg/kg (EHPV10, EHPV50 e EHPV100, respectivamente) durante 20 semanas. A aplicação tópica de uma solução salina e a administração via oral de 100 mg/kg do EHPV foi utilizado em cinco animais como grupo controle (CTR). Após 26 semanas, foram avaliados nos tumores (amostras de tecido), a classificação de malignidade histológica e a expressão imunohistoquímica de Ki-67 e p16INK4A. Os compostos identificados foram o propil gallato, daidzeína, catequina, epicatequina, formononetina e biochanina A. Foram quantificados a formononetina, daidzeína e biochanina A com as seguintes concentrações: 23.29 mg/g, 0.38 mg/g e 0.67 mg/g do EHPV, respectivamente. No EHPV nas doses de 50 e 100 mg/kg, houve inibição de 40% no crescimento de CCEOs e promoveu um retardo de três semanas no desenvolvimento dos tumores clinicamente detectáveis. Displasia epitelial foi observada em todas as amostras, porém sem nenhum tumor clínico detectável, exceto no CTR. Não foi observado diferença significativa na imunoexpressão de Ki-67 e p16INK4A entre os grupos tratados com salina/Tween 80 e os grupos tratados com EHPV (p> 0,05). Desta maneira, os nossos resultados sugerem que o EHPV exerce atividade quimiopreventiva sobre a progressão da displasia epitelial para CCEOs induzido por DMBA num modelo experimental de carcinogênese labial; no entanto, este efeito não está associado com a imunoexpressão do Ki-67 e p16INK4A.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - JULIANA CORDEIRO CARDOSO
Externo à Instituição - MARGARETE ZANARDO GOMES
Presidente - 849.876.344-49 - RICARDO LUIZ CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE JUNIOR
Interno - 1547944 - SARA MARIA THOMAZZI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307