UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 28 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: CARLISSON RAMOS MELO
10/09/2014 10:54


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CARLISSON RAMOS MELO
DATA: 30/09/2014
HORA: 08:00
LOCAL: SALA 1 - PPGAGRI
TÍTULO: Atividade inseticida de quimiotipos de Lippia gracilis sobre Diaphania hyalinata e Cryptolestes ferrugineus
PALAVRAS-CHAVES: Lepidoptera, Coleoptera, bioinseticidas, Lippia sp.
PÁGINAS: 93
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

Os inseticidas organossintéticos são amplamente utilizados no controle de pragas nas lavouras e em produtos armazenados. O uso abusivo destes produtos é responsável por diversos problemas econômicos e ambientais, o que tem gerado uma demanda crescente por métodos alternativos de controle. Os óleos essenciais de plantas são uma alternativa viável ao atual manejo dado as pragas. O alecrim-de-tabuleiro Lippia gracilis Schauer é uma planta da família Verbenaceae nativa do nordeste brasileiro. Trabalhos recentes apontam que o óleo essencial de L. gracilis apresenta grande potencial para biopospecção de compostos inseticidas. Desta forma, objetivou-se neste trabalho avaliar a toxicidade do óleo essencial de L. gracilis e seus compostos majoritários, timol e carvacrol, sobre Diaphania hyalinata e Cryptolestes ferrugineus. Foram utilizados óleos essenciais dos genótipos LG-106 e LG-109 de L. gracilis e os compostos majoritários timol e carvacrol. Em todos os bioensaios os óleos essenciais, o timol e o carvacrol foram diluídos em acetona para a realização de bioensaios de dose e tempo letal. Para D. hyalinata foram realizados bioensaios via aplicação tópica com lagartas de segundo instar. Foram realizados testes de seletividade com os organismos não alvos Apis mellifera e Polybia micans. Para adultos C. ferrugineus foram realizados bioensaios via fumigação. Para D. hyalinata tanto os óleos essenciais quanto os isolados se mostram tóxicos, com DL50 = 5,9 e 4,5 mg/g para os óleos dos genótipos LG106 e LG109, enquanto que para o timol e carvacrol foram de 2,98 e 0,93 mg/g. Através das curvas de sobrevivência foi possível observar que os óleos essenciais atuam de forma rápida, causando mortalidade na metade da população em menos de 3 horas, enquanto que os monoterpenos necessitam de mais de 6 horas (Teste de Log-rank: χ2 = 300,6; gl = 2; p <0,001). Todavia, estes compostos não se mostraram seletivos aos organismos não alvos, causando mortalidades superiores a 90 % com as DL80 do inseto praga. Os óleos essenciais e os compostos majoritários se mostraram muito eficientes via fumigação para C. ferrugineus. Foram necessários apenas 20,7 e 25,1 μL/L dos óleos essenciais dos genótipos 106 e 109 para causar 50% de mortalidade à C. ferrugineus. Enquanto que para os isolados foram utilizados 12,5 e 13,2 μL/L de timol e carvacrol para causar a mesma mortalidade. A sobrevivência de C. ferrugineus exposto aos óleos essenciais e aos monoterpenos foi significativamente reduzida ao longo do tempo (Teste de Log-rank: χ2 = 265,6; gl = 2; p <0,001). O timol e o carvacrol tiveram ação mais rápida que os óleos essenciais. Foram necessárias 26,6 e 31,5 horas para causar 50% de mortalidade da população de C. ferrugineus quando expostos ao timol e carvacrol, enquanto que para os óleos foram necessários tempos superiores a 60 horas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1861452 - ANA PAULA ALBANO ARAUJO
Presidente - 1692351 - LEANDRO BACCI
Externo à Instituição - VINÍCIUS ALBANO ARAÚJO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16104-201f40f5e2