UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 31 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: LUCAS VASCONCELOS LIMA
09/07/2014 12:16


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUCAS VASCONCELOS LIMA
DATA: 25/07/2014
HORA: 09:00
LOCAL: Campus da Saude - NPGME, Sala 27
TÍTULO: ASSOCIAÇÃO ENTRE FREQUÊNCIA MODULADA E INTENSIDADE ALTA ATRASA O DESENVOLVIMENTO DE TOLERÂNCIA ANALGÉSICA A TENS
PALAVRAS-CHAVES: Estimulação Elétrica Nervosa Transcutânea (TENS); Dor; Hiperalgesia; Analgesia
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

INTRODUÇÃO: A Estimulação Elétrica Transcutânea do Nervo (TENS) é um recurso analgésico não invasivo usado extensivamente em condições dolorosas. Entretanto, estudos pré-clínicos sugerem o desenvolvimento de tolerância analgésica com o uso prolongado da TENS. O presente estudo investigou o efeito analgésico e o desenvolvimento da tolerância e tolerância cruzada a um opióide composto (Biphalin) de diferentes níveis de intensidade da TENS associados à modulação da frequência. MÉTODOS: 32 ratos Wistar machos foram induzidos com inflamação articular através de uma injeção de carragenina e caolina no joelho esquerdo, e foram divididos nos grupos: intensidade sensorial, intensidade motora baixa, intensidade motora alta e controle. TENS foi aplicada diariamente durante 20 min com frequência alternada entre 4Hz e 100Hz até o desenvolvimento de tolerância ser evidenciado. Foram mensuradas a hiperalgesia mecânica, a função motora e a força de preensão muscular antes e depois de cada aplicação de TENS, diariamente. Após o desenvolvimento de tolerância foi administrado o biphalin. RESULTADOS: Houve redução significativa do limiar mecânico em todos os grupos 24 horas após indução da inflamação (p< 0,01). Observou-se perda da eficácia analgésica da TENS no 12º, 19º e 19º dias nos grupos tratados com intensidade sensorial, motora baixa e motora alta, respectivamente (p< 0,02) quando analisadas medidas pareadas e comparado ao controle. A administração de Biphalin não promoveu redução da hiperalgesia nos grupos tratados com TENS, sugerindo tolerância cruzada a esse fármaco. Não se observou alteração do controle neuromuscular após aplicação da TENS. CONCLUSÃO: A associação entre variação de frequência da TENS e intensidade de estimulação em nível motor de maior magnitude promove atraso no desenvolvimento da tolerância analgésica a TENS, otimizando e prolongando o seu tempo útil de efetividade terapêutica.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1656787 - JOSIMARI MELO DE SANTANA
Externo ao Programa - 2034694 - KARINA LAURENTI SATO
Externo ao Programa - 2864511 - LEANDRO MARQUES DE SOUZA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12838-31cfbbda77