UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 29 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: GABRIELA MANCIA DE GUTIERREZ
20/05/2014 14:24


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GABRIELA MANCIA DE GUTIERREZ
DATA: 30/05/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Auditorio do CCBS
TÍTULO: ANÁLISE DE FATORES SOCIOECONÔMICOS, CLÍNICOS, GENÉTICOS E DE CÁRIE DENTÁRIA EM CRIANÇAS COM ANEMIA FALCIFORME NO ESTADO DE SERGIPE
PALAVRAS-CHAVES: Cárie Dentária, Anemia Falciforme, Interleucina-1 beta, Polimorfismo Genético
PÁGINAS: 96
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Clínica Odontológica
RESUMO:

A anemia falciforme (AF) é uma doença genética mendeliana causada por uma mutação originando uma hemoglobina anormal (HbS). Pessoas com AF apresentam susceptibilidade aumentada as infecções, inflamações, isquemias, episódios de dor e necroses teciduais, bem como alterações no sistema estomatognático e em suas estruturas anexas. O objetivo deste trabalho é analisar fatores socioeconômicos, clínicos, genéticos e de cárie dentária em crianças com anemia falciforme no Estado de Sergipe. Este estudo epidemiológico transversal controlado envolveu 210 voluntários, 70 indivíduos com AF compondo o grupo de estudo (GE) e 140 controles (GC). O GE foi pareado com o GC em idade e gênero. A coleta de dados incluiu entrevista com os responsáveis, verificação de prontuários e exame clínico odontológico. As análises estatísticas foram feitas no SPSS versão 20, considerando um intervalo de confiança de 95% (p<0,05). A média de idade da amostra foi 6,73±2,62. A maioria (74,3%) dos pais do GE possuía escolaridade baixa, além de 45,7% estarem nas classes econômicas mais baixas (D e E). No GE foram observadas doenças sistêmicas coadjuvantes a AF e comorbidades da AF. No que se refere a cárie dentária, 29 (41,4%) dos voluntários do GE e 46 (36,9%) do GC apresentaram cárie zero. Os índices de cárie na dentição permanente não demonstram diferença estatística entre os grupos, porém o componente cariado (C) apresentou diferença estatística entre os grupos, tanto para dentes (p=0,028) quanto para superfícies (p=0,035). As frequências dos genótipos e alelos dos SNPs rs1143641, rs1143633, rs1143634 não apresentaram semelhança com as populações africana subsaariana (YRI) ou europeia (CEU). Os genótipos pró-inflamatórios do SNP rs1143634 apresentou baixa prevalência no GE: modelo aditivo [TC (32,8%) e TT (3,0%)], recessivo [TT (3,0%)] e dominante [TC+TT (35,8%)]. Com os dados pode-se concluir que o GE demonstrou perfil socioeconômico mais baixo em comparação ao GC. A análise descritiva de doenças sistêmicas e complicações demonstra prejuízos à saúde e qualidade de vida nos indivíduos com AF. Os grupos apresentaram uma experiência de cárie dentária semelhante, sem diferença estatística entre os índices de cárie, porém o componente cariado com valor mais alto em pacientes com AF na dentição permanente. Com relação ao perfil genético, as frequências dos genótipos e alelos indicam miscigenação étnica da população estudada entre as populações YRI e CEU. Os genótipos pró-inflamatórios não apresentaram alta prevalência no GE e não se pode avaliar o seu impacto, sendo esta avaliação somente possível com número amostral aumentado. Os resultados demonstram que os pacientes com AF tem uma pior qualidade de vida advindo do quadro sistêmico e oral, necessitando de acompanhamento priorizado.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1836564 - FABIANO ALVIM PEREIRA
Externo ao Programa - 1965631 - DANIEL MARANHA DA ROCHA
Externo à Instituição - MARIA TERESA POTTI RODRIGUES SANTOS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12762-01b8f192c5