UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: CRISTIANO DE QUEIROZ MENDONÇA
06/05/2014 11:15


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CRISTIANO DE QUEIROZ MENDONÇA
DATA: 06/06/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de Aula 27 Centro de Pesquisas Biomédicas
TÍTULO: Comportamento da pressão ocular em pacientes pediátricos tratados para Leucemia Linfoblástica Aguda e Linfoma não Hodgkin
PALAVRAS-CHAVES: Leucemia-Linfoma Linfoblástico de Células Precursoras, Linfoma não Hodgkin,Glaucoma, Corticosteroides, Quimioterapia.
PÁGINAS: 42
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

Introdução:Leucemia Linfóide Aguda (ALL) é o câncer mais comum encontrado entre os jovens e, se analisados ​​em conjunto com o Linfoma não-Hodgkin (NHL), são responsáveis ​​por pelo menos um terço dos casos de câncer infantil. Protocolos terapêuticos atuais incluem altas doses de glicocorticóides (GC)], droga associada com alto potencial para elevar a pressão intraocular (IOP) e, consequentemente, provocar danos às fibras do nervo óptico, patologia classificada como glaucoma cortisônico. A hipertensão ocular geralmente ocorre com algumas semanas de uso de esteróide em pacientes geneticamente susceptíveis, mas é geralmente reversível com a descontinuação do tratamento. Entretanto, dependendo dos níveis pressóricos oculares e do tempo de elevação, pode resultar em neuropatia óptica e, em situações extremas, em cegueira. Por serem a ALL e o NHL doenças oncológicas com potencial elevado de cura, em indivíduos jovens, com elevada expectativa de vida, a identificação de eventuais complicações de longo prazo decorrentes do tratamento poderá subsidiar o delineamento de um protocolo oftalmológico para esses casos, ainda inexistente na literatura científica. Objetivo:O objetivo deste estudo foi avaliar o comportamento da pressão intraocular em pacientes pediátricos portadores das mais frequentes neoplasias linfoproliferativas agudas da infância e adolescência, e que são tratados com GC. Métodos: Foi feita uma revisão sistemática sobre o tema estudado, seguida por um estudo descritivo, prospectivo, em crianças e adolescentes de ambos os sexos, com diagnóstico de ALL e NHL, matriculados para início de tratamento quimioterápico no Centro de Oncologia de Sergipe Dr. Oswaldo Leite. Os critérios de inclusão foram: diagnóstico de ALL ouNHL-T, confirmada por imunofenotipagem de amostra de medula óssea ou sangue periférico (ALL) ou imuno-histoquímica de material obtido por biópsia aberta (NHL); idade menor de 19 anos; sem quimioterapia anterior; ausência de diagnóstico prévio compatível com glaucoma ou doença anterior relacionada a qualquer mudança na pressão intra-ocular; não uso sistêmico de GC nos seis meses anteriores ao diagnóstico da ALL ou NHL. Pacientes cuja avaliação da PIO pode não ter sido tecnicamente adequada e os que faleceram durante o período de seguimento foram excluídos. Realizaram-semedidas de pressão intraocularantes do tratamento (D0),no oitavo (D8), décimo quarto (D14) e vigésimo (D28) dia de tratamento. Os resultados da IOP acima de 21 mm de Hg foram considerados como hipertensão ocular Resultados: Os resultados da revisão sistemática apontaram para necessidade de novos estudos, limitando-se a um total três publicações de relatos de casos envolvendo sete pacientes, com resultados variando de total controle da pressão ocular e função visual a cegueira irreversível. Os resultados da pesquisa de campo envolveram 12 pacientes, com dois casos de hipertensão ocular e com diferença estatisticamente significativa entre as médias de PIO entre D0 vs D8 e D0 vs D14 (p = 0,013). Conclusão: A possibilidade de hipertensão ocular silenciosa, com o consequente risco de cegueira irreversível, indica a necessidade de se avaliar a introdução de um protocolo para verificação da IOP em pacientes jovens recentemente diagnosticados com ALL e NHL, incluindo exames semanais, pelo menos até a retirada completa do GC


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - IVAN MAYNART TAVARES
Interno - 3113466 - KLEYTON DE ANDRADE BASTOS
Presidente - 577945 - ROSANA CIPOLOTTI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5