UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: MARAISA BEZERRA DE JESUS
22/04/2014 10:36


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARAISA BEZERRA DE JESUS
DATA: 07/05/2014
HORA: 09:30
LOCAL: Auditório da ADUFS
TÍTULO: EFEITOS CONTRÁTEIS, ELÉTRICOS E ANTIOXIDANTES DE Canavalia rosea NO MIOCÁRDIO DE RATO E SEU PAPEL NA PREVENÇÃO DOS DANOS DECORRENTES DA LESÃO PROVOCADA PELA REPERFUSÃO TISSULAR
PALAVRAS-CHAVES: isquemia miocárdica, reperfusão miocárdica, Canavalia rosea, antioxidantes.
PÁGINAS: 84
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

Os produtos derivados de plantas têm sido vastamente estudados para prevenção, cura e tratamento de doenças. Sustâncias neles presentes e que apresentam atividade antioxidante são de grande interesse para a minimização da injúria cardíaca que pode ser provocada pela reperfusão deste tecido. A injúria de reperfusão cardíaca é um fenômeno fisiopatológico ocorrendo nas síndromes coronarianas, nas cirurgias cardiovasculares e nas angioplastias, podendo gerar lesões no tecido cardíaco. Neste contexto, é importante avaliar os efeitos biológicos de derivados de plantas, avaliando o seu potencial antioxidante útil na proteção do tecido cardíaco e na prevenção dos danos causados por diversas doenças cardíacas. Uma fração de acetato de etila (FAE) foi obtida do extrato bruto das folhas de Canavalia rosea. A FAE foi submetida à prospecção fitoquímica tendo sido nela identificados compostos antioxidantes. A avaliação quantitativa da atividade antioxidante desta fração foi realizada estudando sua capacidade de sequestrar o radical livre DPPH•. Foi observado que ela promoveu uma redução significativa deste radical (p<0,001), apresentando uma inibição na produção deste radical de 46,7 ± 3,5 % com uma CE50 de 20,9 ± 0,3 µg/mL. O Índice de Atividade Antioxidante (IAA) apresentado pela fração foi de 1,42, considerado forte, dentro da escala proposta por Soler-Rivas et al., (2000) e Argolo et al., (2004). A lipoperoxidação in vitro foi induzida pelo sulfato ferroso. Nas diferentes concentrações testadas, a FAE reduziu significativamente a lipoperoxidação induzida por esta substância. Foram também avaliados os efeitos contráteis e elétricos da FAE (300 µg/mL) em coração isolado de ratos montado em sistema de perfusão aórtica do tipo Langendorff. A FAE alterou de forma significativa o perfil eletrocardiográfico, aumentando a duração do intervalo PR (PRi) (de 78,48 para 104,7, n = 5 , p<0,05), do intervalo QT (QTi) (de 30,41 para 41,03, n = 5, p<0,05) e do complexo QRS (de 17,36 para 25,19, n = 5, p<0,05) e reduzindo a frequência cardíaca (de 128,5 para 87,82, n =5, p<0,05). Na avaliação dos efeitos contráteis, a fração diminuiu a pressão intraventricular esquerda (PVE) (de 1,682 para 1,173, n = 5, p<0,05), bem como a velocidade máxima de contração. O efeito cardioprotetor da FAE foi testado avaliando seu potencial para limitar a injúria tissular provocada pela reperfusão. Para isto, foram empregados métodos enzimáticos a fim de avaliar o estresse oxidativo e também sua ação sobre a atividade contrátil do tecido. Os resultados mostraram que a FAE reduziu significativamente a dP/dt máxima tanto na contração quanto no relaxamento. Ainda mais, ela aumentou o tempo de diástole e a PVE. Na reperfusão pós-isquemia, houve melhora significativa da frequência cardíaca e diminuição do Índice de Severidade da Arritmia (ISA). A avaliação dos efeitos antioxidantes foi feita através da medida da TBARS e da atividade das enzimas superóxido dismutase (SOD), catalase (CAT), glutationa peroxidase (GPx) e redutase (GSH-Rd). Foi observado que a peroxidação lipídica foi significativamente menor nos corações perfundidos previamente com a FAE e depois submetidos à isquemia e à reperfusão do que quando comparados com o grupo perfundido somente com o veículo (animais controle). As atividades da SOD, GPx e GSH-Rd foram significativamente maiores nos corações perfundidos previamente com a FAE, porém a atividade da CAT foi menor neste grupo. Ao analisarmos a concentração do marcador CK observamos que a mesma apresentou-se menor no grupo perfundido previamente com FAE. Com este conjunto de resultados concluímos que a FAE melhora a função cardíaca pós-isquêmica. Isto pode ter decorrido da habilidade que os flavonoides têm de sequestrar radicais livres e/ou da habilidade da FAE em induzir o aumento da atividade de enzimas antioxidantes nos corações submetidos à injúria decorrente da reperfusão do tecido cardíaco.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1443401 - ANDRE LUIS BACELAR SILVA BARREIROS
Externo à Instituição - LUCIANO DOS SANTOS AGGUM CAPETTINI
Presidente - 1694364 - SANDRA LAUTON SANTOS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5