UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 20 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: CAROLE FERREIRA DA CRUZ
02/04/2014 11:04


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAROLE FERREIRA DA CRUZ
DATA: 25/04/2014
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do polo de pós-graduação
TÍTULO: Ativismo anti-homofobia: embates político-midiáticos da Rede LGBT na Internet
PALAVRAS-CHAVES: rede digital; ativismo online e off-line; repertórios de ação; movimento LGBT; visibilidade midiática.
PÁGINAS: 49
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Comunicação
RESUMO:

O presente trabalho se propõe a investigar a crescente apropriação da Internet para o fortalecimento do ativismo anti-homofobia no Brasil, que tem como principal referência a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT). A entidade constitui atualmente a maior rede LGBT da América Latina e se articula via grupo de discussão eletrônico, utilizado como ferramenta para produção de informação, comunicação e mobilização de ativistas, militantes e apoiadores. Em razão das especificidades do objeto e da consequente necessidade de adequações teórico-conceituais, este estudo está embasado em duas metodologias complementares: análise de conteúdo e etnografia virtual. A coleta de dados abrangeu os tópicos que motivaram maior participação e repercussão midiática, os quais se concentraram nos anos de 2012 e 2013. Essa coleta resultou em quatro estudos de caso representativos dos eixos paradigmáticos norteadores do ativismo dentro da rede: antagonismo político-institucional (embates com a bancada evangélica); e antagonismo midiático (embates com a grande mídia). Entre as conclusões da pesquisa estão: os repertórios de ação (em rede, midiáticos, ciberativistas) surgem como táticas de reforço para dar uma maior dimensão e tornar mais eficiente o ativismo político; a busca da visibilidade midiática é uma estratégia imbricada nas ações ativistas que abrange as mobilizações “intermídia” nas plataformas digitais e as tentativas recorrentes de pautar os veículos jornalísticos; as articulações, mobilizações e intervenções online e off-line estão correlacionadas, podendo tanto começar nos espaços de interação mediada quanto nos espaços políticos tradicionais e vice-versa; a mobilização de ativistas ocasionais e demais parceiros informais é uma prática estratégica para visibilizar e reforçar os mecanismos de pressão; o grupo de discussão é potencialmente mais ativo nas conversações civis para fins de troca de informações, análise de conjuntura, consulta especializada, planejamento e avaliação de ações; o ciberativismo é notadamente mais bem-sucedido nas situações em que a Internet exerce um papel relevante na disseminação de canais informativos alternativos para a conscientização e o engajamento coletivos; a associação do ativismo político a uma série de repertórios midiáticos, online e em rede tem contribuído para ampliar a visibilidade, o conjunto de alianças e o apoio da sociedade em torno das lutas anti-homofobia no país.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FRANCISCO PAULO JAMIL ALMEIDA MARQUES
Interno - 2345003 - MESSILUCE DA ROCHA HANSEN
Presidente - 308938 - SONIA AGUIAR LOPES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307