UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: ZAK MOREIRA DE ANDRADE SILVA
07/03/2014 12:47


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ZAK MOREIRA DE ANDRADE SILVA
DATA: 03/04/2014
HORA: 09:00
LOCAL: sala 27 Centro de pesquisas biomédicas
TÍTULO: Efeito Antinociceptivo e Anti-inflamatório dos graus 1 e 3 de Mobilização Articular em Modelo Experimental de Inflamação Articular.
PALAVRAS-CHAVES: Fisioterapia; Dor; Manipulações Músculo-esqueléticas; Analgesia; Inflamação.
PÁGINAS: 59
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Fisioterapia e Terapia Ocupacional
RESUMO:

Introdução: Dor músculo-esquelética é uma condição altamente prevalente, com influência econômica relevante para a sociedade e repercussões na funcionalidade dos indivíduos. A mobilização articular (MA) é um método terapêutico que promove alívio de dor e melhora da amplitude de movimento funcional. Objetivo: O presente estudo investigou os efeitos dos graus 1 e 3 de MA bem como o efeito antihiperalgésico das MAs efetuadas durante diferentes períodos após a indução da inflamação articular. Método: 75 ratos Wistar foram induzidos com inflamação articular através de uma injeção com o volume de 0,1 mL de solução de carragenina e caolina (3%) no joelho esquerdo. Posteriormente, a formação dos grupos deu-se de acordo com os graus de MA clinicamente indicados para redução da dor e melhora da mobilidade: grau 1, grau 3 e controle, com 25 animais em cada grupo. As intervenções foram realizadas em diferentes fases: 05 dias antes da indução, 07 horas após a indução, e 03, 10 e 20 dias após a indução de inflamação articular. Os animais do grupo controle foram mantidos dentro da luva durante o tempo do procedimento de intervenção terapêutica. Todos os testes foram feitos com experimentador cego para o tratamento. Foram mensurados os efeitos antinociceptivos, a partir da hiperalgesia mecânica secundária, e os efeitos anti-inflamatórios, a partir da contagem total de células inflamatórias, além disso, foi mensurado o desempenho motor, a partir do Grip Strength Meter. Resultados: Em todos os grupos experimentais, houve redução significativa do limiar mecânico da pata 24 horas após instalado o processo infamatório em todos os grupos, indicando hiperalgesia (p<0,001). Não houve efeitos antinociceptivos quando a MA foi administrada antes de induzir a inflamação articular pré-indução. Ambos os graus de MA (1 e 3) promoveram redução significativa do limiar mecânico de retirada da pata em relação ao controle quando aplicada 3, 10 e 20 dias após indução da inflamação (p<0,05). Às 7 horas pós-indução apenas o grau I apresentou redução significativa do limiar mecânico de pata (p<0,001). Não houve repercussão no desempenho motor após tratamento com MA em nenhum dos períodos de intervenção. Houve diminuição significativa do número total de leucócitos nos grupos que sofreram intervenção com o grau 1 (p<0,0001). Conclusões: Mobilização articular grau 1 e grau 3 foram eficientes na redução da hiperalgesia mecânica em todos os momentos da inflamação articular, sendo que o grau 1 apresentou efeito antinociceptivo no momento mais precoce estudado em modelo experimental de dor inflamatória. A mobilização articular de pequena amplitude apresentou repercussão sobre a contagem de leucócitos, sugerindo um efeito anti-inflamatório da mobilização articular.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2864087 - JADER PEREIRA DE FARIAS NETO
Presidente - 1656787 - JOSIMARI MELO DE SANTANA
Externo à Instituição - RICHARD ELOIN LIEBANO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307