UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 23 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: CATARINA ANDRADE GARCEZ
11/02/2014 10:05


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CATARINA ANDRADE GARCEZ
DATA: 24/02/2014
HORA: 10:00
LOCAL: Sala de aula Centro de Pesquisas Biomédicas
TÍTULO: Avaliação da força muscular respiratória e da função pulmonar em indivíduos com a doença de Charcot- Marie-Tooth tipo 2
PALAVRAS-CHAVES: Doença de Charcot-Marie-Tooth, função pulmonar, qualidade de vida.
PÁGINAS: 107
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

A doença de Charcot-Marie-Tooth (CMT) é a neuropatia periférica hereditária mais prevalente em todo mundo e caracteriza-se pela atrofia muscular e hipoestesia distal dos membros podendo estar associada à hipotonia, fraqueza muscular, diminuição dos reflexos profundos, fadiga muscular e alterações respiratórias.Tendo em vista que segmentos proximais também podem ser acometidos, principalmente, nas formas mais graves e mais tardias da CMT, os distúrbios respiratórios também têm sido relatados nesta doença. A prevalência de distúrbios pulmonares em uma população avaliada por Aboussouan e colaboradores (2007) variou de 0 a 30% e numerosos relatos de casos indicam uma associação entre CMT, disfunção do nervo frênico e diafragma. Neste contexto, o objetivo deste trabalho foi avaliar as possíveis alterações respiratórias em indivíduos de uma família multigeracional do interior do estado de Sergipe com a doença de Charcot-Marie-Tooth tipo 2. Para tal, foram realizadas a espirometria, a manovacuometria e o questionário de avaliação de dispneia (MRC). Além disso, foi avaliada a qualidade de vida dos indivíduos da pesquisa utilizando o questionário Short-Form 36 (SF-36). Foram incluídos na pesquisa 20 indivíduos no grupo controle (GC) e 18 no grupo com a doença de Charcot-Marie-Tooth tipo 2 (GCMT2). Quanto à idade e as medidas antropométricas não foi observada diferença significativa entre os grupos. Através da espirometria verificou-se diferença significativa entre os grupos nos quesitos VEF1, CVF e FEF25%-75% tanto no momento pré como no momento pós-broncodilatador. Na avaliação da força muscular a medida de pressão expiratória máxima (PEmáx) demonstrou estar precocemente reduzida em indivíduos com doença de CMT.A presença de sinais piramidais não influenciou no padrão respiratório embora o tamanho da amostra possa ter influenciado os resultados.A qualidade de vida não demonstrou ter influência naqueles indivíduos com pior desempenho na avaliação das pressões respiratórias. A espirometria e a manovacuometria, por não serem invasivas e serem de fácil execução, devem ser indicadas em pacientes com doença de CMT que apresentam pontuação elevada no CMTNS.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2445308 - ADRIANO ANTUNES DE SOUZA ARAUJO
Externo à Instituição - EDUARDO LUIS DE AQUINO NEVES
Externo à Instituição - SAULO MAIA D AVILA MELO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5