UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: SERGIO LUIZ DE OLIVEIRA SANTOS
10/02/2014 09:10


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SERGIO LUIZ DE OLIVEIRA SANTOS
DATA: 14/03/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de aula Centro de Pesquisas Biomédicas
TÍTULO: ASMA EM ADOLESCENTES – EVOLUÇÃO DA PREVALÊNCIA, FATORES ASSOCIADOS E PERFIL DE SENSIBILIZAÇÃO
PALAVRAS-CHAVES: Asma; ISAAC; Fatores de Risco; Prevalência; Sensibilização.
PÁGINAS: 86
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

Intodução: Os instrumentos do estudo ISAAC (International Study of Asthma and Allergies in Childhood) têm revelado, nos últimos 20 anos, dados heterogêneos nos índices de prevalência de asma ao redor do mundo e a repetição dessas medidas associada à análise de fatores associados têm fornecido material fundamental para se conhecer melhor a epidemiologia desta doença. Os objetivos foram estimar prevalência da asma e sua evolução temporal, além de conhecer o perfil local de sensibilização atópica e identificar fatores associados à asma. Métodos: Através dos questionários validados e testes alérgicos, o protocolo ISAAC foi o método usado para detecção de prevalência de asma e análise de risco nas escolas de Aracaju, Sergipe, Brasil. Participaram 3009 alunos de 13 a 14 anos das 70 escolas sorteadas utilizando a questão sobre presença de sibilos nos últimos 12 meses para definição de prevalência de asma. Posteriormente, a partir do contingente inicial, foram sorteados 430 adolescentes de 35 escolas para teste com aeroalérgenos e análise de risco. Trata-se de estudo observacional transversal analítico e para correlação e associação entre variáveis nominais utilizou-se o teste χ2 (qui-quadrado) de Pearson e entre nominais e ordinais utilizou-se o Teste ρ de Spearman. A partir das variáveis selecionadas, para as análises univariada e multivariada entre os possíveis fatores e a asma, utilizou-se da regressão de Poisson modificada com definição de risco relativo (RR). Resultados: A prevalência de asma em Aracaju foi de 12,8% (era 18,7% em 2005). A sensibilização a ácaros da poeira foi a de maior prevalência e a atopia não foi um fator significativo associado à asma ativa, mas obteve significância com asma cumulativa e com diagnóstico médico de asma. Definiu-se como fatores de proteção a asma ativa a “presença de cão fora do domicílio” RR= 0,93 (IC95% 0,88 – 0,98); p= 0,018 e “presença de irmão mais velho” RR= 0,94 (IC95% 0,91 – 0,98); p= 0,005 e como fator de risco a “presença de fumantes no domicílio” RR= 1,04 (IC95%= 1,00 – 1,09); p= 0,039. Conclusões: Os dados de prevalência atual são significativamente menores que os de 2005 nesta cidade e atingiu um dos índices mais baixos do nordeste brasileiro. E os fatores associados reforçam o malefício do tabagismo em relação à asma, além de inferirem alguma concordância com a Hipótese da Higiene.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FABIO CHIGRES KUCHNIR
Interno - 426691 - MARIA LUIZA DORIA ALMEIDA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307