UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIANGELA DA SILVA NUNES
21/01/2014 10:39


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIANGELA DA SILVA NUNES
DATA: 06/02/2014
HORA: 08:00
LOCAL: Sala de aula Centro de Pesquisas Biomédicas
TÍTULO: Funcionalidade e qualidade de vida em idosos vítimas de trauma
PALAVRAS-CHAVES: traumatismo, idosos, capacidade funcional, qualidade de vida, enfermagem
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

O envelhecimento populacional e a urbanização representam as maiores forças que moldam o século XXI, traduz enorme desafio para este século, uma vez os idosos são considerados como produtivos para as suas famílias e comunidades. As causas externas são agravos à saúde e resultados de agressões, acidentes, traumas e lesões acidentais ou intencionais, cujo impacto na morbimortalidade da população, permanece como um problema de saúde pública. Como consequência, observa-se o surgimento de limitações que vão necessitar do envolvimento e cuidados domiciliares da família, com custos, sociais e econômicos, relacionados à reabilitação e até mesmo a perda da capacidade produtiva, quando estes idosos sobrevivem ao trauma, deste modo, a capacidade funcional e a qualidade de vida surgem na atualidade como paradigmas de saúde.No Brasil, as pesquisas relacionadas ao trauma em população idosa ainda são pequenas, em razão do predomínio dos jovens que são acometidos. Foi realizado estudo descritivo, observacional e prospectivo, em dois tempos, no Hospital de Urgência de Sergipe, localizado em Aracaju, Sergipe, cujos critérios de inclusão foram ter idade igual ou superior a 60 anos, ambos os sexos; ser vítima de trauma por: acidentes de transporte; causas externas de lesões acidentais, lesões autoprovocadas voluntariamente e agressões; ter sido admitida no serviço de urgência do HUSE, em até 48 horas após o trauma, estar acompanhado de familiar ou cuidador, para que possíveis distúrbios cognitivos, auditivos, visuais ou de fala não dificultem a aplicação do instrumento da pesquisa; aceitar participar do estudo de maneira voluntária ou por autorização de cuidadores ou familiares, em caso de déficit cognitivo e/ou auditivo, com assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Foram excluídos os idosos cujos eventos apresentavam intenção indeterminada; com complicações de assistência médica e cirúrgica, e as causas externas não classificadas. O objetivo geral foi avaliar a capacidade funcional e a qualidade de vida em idosos vítimas de trauma. Os objetivos específicos foram caracterizar os idosos vítimas de trauma quanto sexo, idade, fatores de risco relacionados, doenças pré-existentes, mecanismo do trauma e gravidade da lesão; determinar alterações na capacidade funcional de idosos hospitalizados pós-trauma em dois momentos: durante a internação e 90 dias após a alta hospitalar; avaliar alterações na qualidade de vida dos idosos hospitalizados pós-trauma em dois momentos: durante a internação e 90 dias após a alta hospitalar.O instrumento utilizado para avaliar a gravidade do trauma foi a escala de coma de Glasgow e o escore NISS. As atividades da vida diária e a independência funcional forammedidas pelaEscala Modificada de Barthel, Whoqol-Bref e Whoqol-Old. A primeira etapa do estudo foi realizado de 08 de fevereiro a 19 de junho, enquanto que segunda etapa, relacionada as visitas domiciliares,foi realizada de maio a outubro do ano de 2013. Os dados coletados foram armazenados em banco de dados computadorizado do programa SPSS 19.0 e apresentados sob a forma estatística de tabelas e gráficos, com frequência absolutas e relativas para as variáveis categóricas.A avaliação a capacidade funcional foi apresentada em estatística descritiva, na forma de tabelas, com a média, mediana, valores mínimo e máximo. Foi realizado o teste de Wilcoxon pareado para avaliação da capacidade funcional no internamento e 90 dias após a alta hospitalar. Foi realizado o escore bruto do Whoqol-Bref e whoqol-Old e apresentado em tabelas e figuras. Os resultados foram apresentados em tabela, com mediana, interquartil e p-valor. Para todo o estudo, o risco alfa ≤ a 5 % de cometer erro tipo I foi considerado.Foram estudados 282 idosos na primeira etapa e 247 idosos na segunda etapa, em função de 35 óbitos, sendo 30 no internamento hospitalar e 5 no domicílio. O internamento variou de 01(um) a 215 dias, média de 12,6, dp±20,6. Os principaismecanismos de trauma foi a queda da própria altura em domicílio (52,5%), seguidos da queda em local público (12,4%). A escala de coma de Glasgow demonstrou que 81,2% apresentaram o traumatismo cranioencefálico leve com escore entre 13 e 15 pontos;em 44% observou-se gravidade do trauma medida pelo escore NISS entre 9 e15 e 24,8% apresentaram mais de 3 regiões acometidas com o trauma, com predomínio das extremidades ou cintura pélvica em 57,8%. A capacidade funcional avaliada nos dois momentos demonstrou pelo teste de Wilcoxon mediana de 38,0 e 82,0 respectivamente. No internamento e após 90 dias o Whoqol-Bref apresentou escore global bruto de 35,74 e 35,99, respectivamente. O Whoqol-Old apresentou no internamento e 90 dias após escore global bruto de 35,51 e 40,63, respectivamente. Em conclusão, os resultados sinalizam melhora na capacidade funcional dos idosos que permanecem em tratamento domiciliar e discreta melhora na qualidade de vida após 90 dias de trauma.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2356666 - MARIA DO CARMO DE OLIVEIRA RIBEIRO
Externo ao Programa - 2661918 - JOSE ANTONIO BARRETO ALVES
Externo ao Programa - 1316714 - RICARDO FAKHOURI

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5