UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: JOSE CRISTIAN GOES
16/01/2014 17:26


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOSE CRISTIAN GOES
DATA: 20/01/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório do pólo de pós-graduação
TÍTULO: Jornalismo e sensacionalismo: enquadramento, criminalização da pobreza e implicações éticas no jornal Cinform
PALAVRAS-CHAVES: Jornalismo; Sensacionalismo; Enquadramento; Representação Social; Criminalização da pobreza.
PÁGINAS: 34
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Comunicação
RESUMO:

Rotular que este ou aquele meio é sensacionalista apenas porque se dedica à exploração da violência, com generosa medida de crimes, sexo e miséria humana e afirmar que essa prática atrai amplas audiências nas camadas populares impõe certa obviedade e uma constatação que se encerra em si mesma. Este trabalho é fruto dessa inquietação. Buscase aqui ir além de observações reducionistas sobre o sensacionalismo, a partir de três movimentos intersecionados: a inserção desse formato na teoria do jornalismo, a partir dos estudos sobre enquadramento; a relação desse frame com as representações sociais sobre pobreza e violência; e a avaliação desse quadro sensacionalista à luz da ética jornalística. Há um esforço em discutir jornalismo, acontecimento e cotidiano e de fazer uma revisão sobre o processo histórico do sensacionalismo na imprensa. Como objeto foi escolhido o Jornal Cinform, periódico semanal que circula em Aracaju/SE. Foi investigada a manchete principal desse jornal identificada como sensacionalista e a reportagem dela decorrente entre os anos de 2008 a 2012. Utilizando-se da análise de conteúdo e das entrevistas com repórteres e com o diretor de jornalismo do jornal, chegamos à conclusão de que o sensacionalismo pode se constitui um enquadramento, articulado entre repórteres e empresa e que é aplicado em determinados acontecimentos com carga dramática latente de violência, transformando-os em relatos de barbárie. Esse modo interpretativo e saliente da realidade, através da prática sensacionalista, acaba reafirmando representações sociais que criminalizam a pobreza. Nessas condições, sob a luz da ética jornalística, esse enquadramento se torna um flagrante desvio de conduta profissional, mas que diante da naturalização do quadro, alguns pressupostos éticos ficaram relativizados. Ao enfrentar a análise do sensacionalismo a partir de três claros movimentos: enquadramento, representa ção social e ética apresentamos contribuições de que o enquadramento sensacionalista é resultado de um processo articulados de categorias que se entrecruzam com as representações sociais. Além dessas constatações, salientamos que esse processo não é neutro e isento e à luz da ética jornalística impõe uma conduta ética reprovável. Ao final, esperamos ter sinalizado outras questões que ajudam a melhor compreender o cotidiano no jornalismo


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1045250 - CARLOS EDUARDO FRANCISCATO
Interno - 1228210 - JOSENILDO LUIZ GUERRA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5