UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA WALESKA DE MENEZES SEIXAS SOUZA
29/10/2013 13:06


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANA WALESKA DE MENEZES SEIXAS SOUZA
DATA: 13/11/2013
HORA: 09:00
LOCAL: sala 26 Centro de Pesquisas Biomédicas
TÍTULO: Redução do Tempo de Jejum pré e pós-operatório em Pacientes Submetidos à Colecistectomia Videolaparoscópica
PALAVRAS-CHAVES: Jejum, vômito pós-operatório, broncoaspiração, satisfação do paciente, cirurgia.
PÁGINAS: 53
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

A abreviação do jejum pré-operatório com oferta de água de coco até duas horas antes da operação e a introdução precoce de dieta no pós-operatório, promove benefícios para o paciente cirúrgico. Objetivo: Avaliar os efeitos da redução do tempo de jejum pré-operatório e alimentação precoce no pós-operatório, em pacientes submetidos à colecistectomiavideolaparoscópica. Método: ensaio clínico randomizado e controlado realizado em um hospital particular em Aracaju, onde as variáveis investigadas foram a presença e intensidade de resíduo gástrico, vômito, broncoaspiração e bem estar no pós-operatório de 80 pacientes, que foram aleatoriamente divididos em dois grupos, onde o grupo teste (40 pacientes) ingeriu 100 ml de água de coco duas horas antes da indução anestésica e o grupo controle (40 pacientes) seguiu o jejum convencional de seis horas sem ingerir líquidos e foram submetidos a colecistectomiavideolaparoscópica . Foi feito um acompanhamento prévio dos pacientes ainda em consultório, aqueles que atenderam aos critérios de inclusão receberam orientações sobre o desenvolvimento da pesquisa e responderam a um questionário com perguntas relativas à ocorrência dos sintomas. Resultados: não houve situações que o paciente apresentasse aspiração ou regurgitação do conteúdo gástrico durante a indução anestésica, ou em qualquer outro momento da pesquisa. Não houve óbito nem complicações pós-operatória. No que se refere a volume residual gástrico, não houve diferença significativa entre os grupos teste e controle (p = 0,704). O desvio padrão do grupo teste foi (DP = 8,08) e o desvio padrão do grupo controle foi (DP = 9,93). Verificou-se que a incidência de vômito foi de (p = 0,600) entre o grupo teste e grupo controle, indicando não haver diferença significativa entre os dois grupos (p > 0,05). A escala numérica foi empregada para cada paciente, 12 horas após o procedimento cirúrgico com o intuito de avaliar o grau de satisfação relacionada à redução do tempo de jejum no pré-operatório e alimentação precoce no pós-operatório, o grupo teste teve como média de grau de satisfação (9,99%) e o controle (7,71%) e isso foi significativo (p < 0,001). A análise comparativa de grupos foi feita através do Teste de Mann Whitney que é a alternativa não paramétrica ao teste t de Student, e o Exato de Fischer, alternativa ao teste do qui-quadrado. Foi utilizando-se o grau de significância de 5% e para a análise descritiva foi utilizadas percentagens e tabelas. Conclusão: A redução do tempo de jejum pré e pós-operatório não trouxe riscos à saúde do paciente, a satisfação do paciente foi considerada, e esta foi maior no grupo teste. Essa conduta mostrou-se segura e deve ser encorajada.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2168215 - EDILENE CURVELO HORA
Interno - 1695058 - MARCO ANTONIO PRADO NUNES
Interno - 426673 - RICARDO QUEIROZ GURGEL

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5