UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Setembro de 2021


Notícias

Banca de DEFESA: SYLVIA DANTAS VIEIRA
16/07/2013 11:25


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SYLVIA DANTAS VIEIRA
DATA: 26/07/2013
HORA: 14:00
LOCAL: SALA 2
TÍTULO: Caracterização molecular e citometria de fluxo em bromélias do Estado de Sergipe.
PALAVRAS-CHAVES: Bromélias, iniciadores ISSR, iniciadores RAPD, quantificação de DNA.
PÁGINAS: 54
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Agronomia
RESUMO:

A família bromeliácea compreende aproximadamente 3.000 especies, distribuídas em 58 gêneros e 3 subfamílias: Pitcarnioideae, Bromelioideae e Tillandsioideae.A crescente demanda de mercado tem sido responsável pelo aumento da produção e comercialização das bromélias, com isso o extrativismo ilegal está reduzindo drasticamente as espécies, esse fato somado a devastação dos ecossistemas brasileiro, em destaque o ecossistema de Mata atlântica tem causado perdas irreparáveis na diversidade. O objetivo do trabalho foi realizar a caracterização molecular e estudar a diversidade genética dos acessos de bromélias nativas prospectadas no Estado de Sergipe, através de ferramentas como marcadores moleculares RAPD e ISSR e citometria de fluxo. As coletas foram realizadas em quatro municípios do Estado de Sergipe (Iatabaiana, Frei Paulo, Simão Dias e Poço Redondo), cujos locais foram mapeados com o auxílio de GPS e os indivíduos foram conservados em estufa agrícola, compondo um BAG. Para as análises moleculares folhas jovens foram coletadas e utilizadas para a extração do DNA, através do protocolo Do yle & doyle. Onze iniciadores ISSR e 13 iniciadores RAPD foram utilizados para a caracterização dos acessos prospectados. As análises por citometria foi realizada para a determinação do conteúdo de DNA, foram utilizadas folhas jovens e as extrações dos núcleos foram realizadas seguindo o método de Dolezel. O marcador RAPD não gerou bandas suficiente (46 bandas) para caracterizar os acessos do BAG de bromélia, os marcadores ISSR detectaram ampla variabilidade genética entre os acessos do BAG e a estimativa do conteúdo de DNA obtido pela citometria de fluxo possibilitou a distinção em dois grupos (média grupo 1 = 1,59 pg e grupo 2 = 1,057 pg) dos acessos de bromélia coletada nos diversos municípios de Sergipe.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2241349 - ARIE FITZGERALD BLANK
Interno - 2483844 - RENATA SILVA MANN
Externo à Instituição - LUCIANE VILELA RESENDE

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r16088-62c448d53e