UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 31 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: NORMA ALVES DE OLIVEIRA
03/05/2013 11:51


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NORMA ALVES DE OLIVEIRA
DATA: 10/06/2011
HORA: 14:00
LOCAL: Auditórip da Didática V campus da Saúde
TÍTULO:

 

ASSOCIAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO, SÍNDROME CORONARIANA AGUDA E PROGNÓSTICO
INTRA-HOSPITALAR

ASSOCIAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO, SÍNDROME CORONARIANA AGUDA E PROGNÓSTICOINTRA-HOSPITALAR


PALAVRAS-CHAVES:

 depressão; sindrome coronariana aguda; prognóstico.


PÁGINAS: 126
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Medicina
RESUMO:

 

A associação entre depressão e síndrome coronariana aguda (SCA) é frequente, porém subdiagnosticada, embora haja evidências de influência na pior evolução. Os mecanismos relacionados desafiam o conhecimento científico. Esse trabalho investigou a presença da depressão, fatores psicossociais associados e prognóstico na SCA em pacientes admitidos em um centro de referência em cardiologia. Em uma coorte, 151 pacientes com SCA, responderam ao Inventário Beck de Depressão e a um inquérito clínico, sendo acompanhados até a alta hospitalar. Houve uma frequência de depressão prévia de 51,7% (IC95%: 57,0 - 72,2). Depressão leve, depressão moderada, distimia e depressão atípica tiveram significância estatística. Em 13% dos casos, sintomas de depressão se instalaram após o evento coronariano. Antecedentes familiares de SCA (p=0,04), história prévia de depressão (p=0,006), traumas na infância (p=0,001), insônia (p=0,01), dor crônica (p=0,004), irritabilidade fácil (p=0,005), personalidade com instabilidade emocional (p=0,001), traumas na adolescência (p=0,003), traumas na fase adulta p=(0,0003) e traumas recentes (p=0,004) foram significativamente maior no grupo com depressão (p=0,04). Na análise multivariada, as variáveis independentes associadas à depressão foram: dores crônicas (p=0,001), insônia (p=0,03), traumas na adolescência (0,004), traumas na fase adulta (p= 0,001), irritabilidade fácil (p=0,04), transtorno de personalidade com instabilidade emocional (p=0,03) e infarto agudo do miocárdio prévio (0,02). Na evolução intra-hospitalar, edema agudo de pulmão (p =0,01), reinfarto (p=0,001), eventos isquêmicos recorrentes (p= 0,0001) foram mais frequentes no grupo com depressão. Também estes apresentaram um maior tempo de internamento (p=0,001). Depressão (oddis ratio (OR)=5,93; p<0,0001), e fração de ejeção do ventrículo esquerdo (OR=0,02; .p=0,01.) foram preditoras de complicações cardiovasculares. Os resultados sugerem associação entre depressão e SCA. A depressão associada existia antes do evento coronariano. Traumas no adolescente e no adulto, irritabilidade fácil, transtornos de personalidade com instabilidade emocional foram variáveis psicossociais preditoras de depressão na SCA. Pacientes com SCA e depressão estão mais sujeitos a eventos cardiovasculares intra-hospitalares. A depressão, além de fator de risco para a SCA, é um marcador de pior prognóstico e a SCA pode desencadear sintomas de depressão.
Palavras-chave: depressão; sindrome coronariana aguda; prognóstico.

A associação entre depressão e síndrome coronariana aguda (SCA) é frequente, porém subdiagnosticada, embora haja evidências de influência na pior evolução. Os mecanismos relacionados desafiam o conhecimento científico. Esse trabalho investigou a presença da depressão, fatores psicossociais associados e prognóstico na SCA em pacientes admitidos em um centro de referência em cardiologia. Em uma coorte, 151 pacientes com SCA, responderam ao Inventário Beck de Depressão e a um inquérito clínico, sendo acompanhados até a alta hospitalar. Houve uma frequência de depressão prévia de 51,7% (IC95%: 57,0 - 72,2). Depressão leve, depressão moderada, distimia e depressão atípica tiveram significância estatística. Em 13% dos casos, sintomas de depressão se instalaram após o evento coronariano. Antecedentes familiares de SCA (p=0,04), história prévia de depressão (p=0,006), traumas na infância (p=0,001), insônia (p=0,01), dor crônica (p=0,004), irritabilidade fácil (p=0,005), personalidade com instabilidade emocional (p=0,001), traumas na adolescência (p=0,003), traumas na fase adulta p=(0,0003) e traumas recentes (p=0,004) foram significativamente maior no grupo com depressão (p=0,04). Na análise multivariada, as variáveis independentes associadas à depressão foram: dores crônicas (p=0,001), insônia (p=0,03), traumas na adolescência (0,004), traumas na fase adulta (p= 0,001), irritabilidade fácil (p=0,04), transtorno de personalidade com instabilidade emocional (p=0,03) e infarto agudo do miocárdio prévio (0,02). Na evolução intra-hospitalar, edema agudo de pulmão (p =0,01), reinfarto (p=0,001), eventos isquêmicos recorrentes (p= 0,0001) foram mais frequentes no grupo com depressão. Também estes apresentaram um maior tempo de internamento (p=0,001). Depressão (oddis ratio (OR)=5,93; p<0,0001), e fração de ejeção do ventrículo esquerdo (OR=0,02; .p=0,01.) foram preditoras de complicações cardiovasculares. Os resultados sugerem associação entre depressão e SCA. A depressão associada existia antes do evento coronariano. Traumas no adolescente e no adulto, irritabilidade fácil, transtornos de personalidade com instabilidade emocional foram variáveis psicossociais preditoras de depressão na SCA. Pacientes com SCA e depressão estão mais sujeitos a eventos cardiovasculares intra-hospitalares. A depressão, além de fator de risco para a SCA, é um marcador de pior prognóstico e a SCA pode desencadear sintomas de depressão.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 426692 - ANTONIO CARLOS SOBRAL SOUSA
Externo à Instituição - OTAVIO RIZZI COELHO
Externo à Instituição - RICARDO AZEVEDO BARRETO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12838-31cfbbda77