UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 24 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: CYNTHIA CRISTINA PAGLIARI DE FARO
05/02/2013 19:14


Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CYNTHIA CRISTINA PAGLIARI DE FARO
DATA: 13/04/2012
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 02 do Polo de Pós-Graduação
TÍTULO:

''PROCESSO DE EXTRAÇÃO DE DNA HUMANO CONTAMINADO COM SOLO''


PALAVRAS-CHAVES:

Forense; Extração de DNA; Ácidos Húmicos.


PÁGINAS: 78
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
SUBÁREA: Epidemiologia
RESUMO:

O índice de criminalidade em nossa sociedade cresce a cada dia. É observado, em especial o aumento de homicídios, praticados em terrenos ou sítios, onde não se tem a elucidação da autoria do ato delituoso. A dificuldade de identificação criminosa reside no fato dos resíduos biológicos encontrados nestes locais estarem em contato com o solo de diferentes naturezas.  A importância desse trabalho está na possibilidade de apresentar uma resposta à sociedade acerca da identificação humana a partir de vestígios biológicos de sangue contaminados com solo. O objetivo deste trabalho é desenvolver um protocolo de extração de DNA capaz de isolar o DNA humano dos constituintes do solo com o intuito de identificar o indivíduo possivelmente envolvido em ato delituoso. Para tanto quatro protocolos de extração de DNA foram utilizados, sendo dois protocolos convencionais e dois protocolos novos, desenvolvidos pela nossa equipe. Foram utilizadas 720 amostras de sangue contaminadas com solo, sendo 240 para cada tipo de solo. Foram utilizados 3 diferentes tipos de solo (terreno baldio, areia da praia e mangue). Das 240 amostras de sangue humano contaminados com solo, 120 foram submetidas à extração do DNA imediatamente após o contato com o solo (Tempo 0) e 120 amostras submetidas a extração de DNA após um tempo decorrido de 72 horas do contato com o solo (Tempo 72). Os resultados mostraram que as amostras de sangue humano extraídas em “Tempo 0” pelos protocolos convencionais só amplificaram para um dos tipos de solo enquanto que os protocolos novos obtiveram uma boa amplificação para os três tipos de solo testados. Já para a extração de DNA Humano efetuada em “Tempo 72” não foi observada a amplificação das amostras extraídas com os protocolos convencionais. Somente os protocolos novos proporcionaram amplificação e conseqüente identificação humana. Concluiu-se que os dois protocolos novos, desenvolvidos pela nossa equipe, apresentaram resultados superiores comparados aos demais protocolos de extração de DNA para os 3 tipos de solos testados, podendo assim, auxiliar na elucidação de crimes e proporcionar mais sensibilidade as técnicas usuais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 426581 - RITA DE CASSIA TRINDADE
Interno - 1690189 - EDILSON DIVINO DE ARAUJO
Interno - 1467719 - LUCINDO JOSE QUINTANS JUNIOR
Externo ao Programa - 2180134 - SILMARA DE MORAES PANTALEAO
Externo à Instituição - SARA CUADROS ORELLANA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12712-85cc87cea5