UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Outubro de 2020


Notícias

Banca de DEFESA: SYLVIA DANIELLA FREITAS DE SOUZA
30/01/2013 15:25


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: SYLVIA DANIELLA FREITAS DE SOUZA
DATA: 22/02/2013
HORA: 09:00
LOCAL: a ser determinado
TÍTULO:

 

DETERMINAÇÃO DA PREVALÊNCIA DE INFECÇÕES E DA ADESÃO AO TRATAMENTO ÀS
HEPATITES VIRAIS ENTRE DOADORES DE SANGUE COM SOROLOGIA REAGENTE

Prevalência de infecções e adesão ao tratamento de hepatites virais entre
doadores de sangue com sorologia reagente em hemocentro de Sergipe


PALAVRAS-CHAVES:

infecções virais; hepatite viral B; hepatite viral C; serviço de hemoterapia.


PÁGINAS: 116
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

 

A transfusão sanguínea é um procedimento notavelmente seguro; entretanto, como a maioria
dos procedimentos clínicos, está associada a alguns riscos; dentre eles, está a contaminação sanguínea
por infecções virais, como hepatite B e hepatite C. Por isso, é necessário a triagem sorológica dos
doadores antes da utilização do sangue doado para transfusão; devem ser realizados testes
confirmatórios nos doadores que apresentarem os testes de triagem reagentes, notificá-los, aconselhá-
los e encaminhá-los para tratamento. Os portadores de hepatites virais são, em sua maioria,
assintomáticos até que a doença se desenvolva. A notificação por parte dos serviços de sangue
representa o método mais abrangente para informar estes indivíduos de resultados anormais dos testes.
Diante disto, a presente dissertação teve como meta determinar a prevalência de soropositividade e a
adesão ao tratamento às hepatites virais entre doadores de sangue com sorologia reagente. Para tanto,
foi realizado, inicialmente, um estudo observacional retrospectivo referente ao período de 2001 a 2011
com o objetivo de determinar a prevalência de soropositividade para marcadores de infecções por
transfusão sanguínea em doadores de sangue com sorologias reagentes, dentre elas as hepatites virais.
Em um segundo estudo observacional retrospectivo, foi verificado a taxa de adesão ao tratamento dos
pacientes portadores de hepatites virais encaminhados ao centro de referência a partir de doação de
sangue, no período de 2009 a 2011. Para melhor embasamento teórico, foi elaborada, durante a
realização do segundo estudo, uma revisão sistemática, com o objetivo de detectar as abordagens
metodológicas usadas para avaliar adesão ao tratamento de hepatites virais e descrever as principais
causas de não adesão ao tratamento das hepatites virais em todo o mundo. Foi confirmado, através do
primeiro estudo, que os marcadores mais prevalente ao longo do período analisado foram aqueles para a
hepatite B viral, estando presentes em 67,2% (IC 95% 66,6 a 67,8) da amostra estudada, e que a
freqüência de doadores com sorologias reagentes para hepatite C cresceu com o passar dos anos,
estando presentes em 5,3% dos doadores com sorologia positiva em 2001 e 13,1% em 2011 (p<0,0001).
A revisão sistemática apontou para a necessidade de mais ensaios clínicos envolvendo adesão ao
tratamento das hepatites virais B e C. O estudo desenvolvido para avaliar adesão ao tratamento dessas
enfermidades demonstrou a necessidade de integração entre o hemocentro e o centro de referência no
tratamento das hepatites virais.

A transfusão sanguínea é um procedimento notavelmente seguro; entretanto, como a maioria
dos procedimentos clínicos, está associada a alguns riscos; dentre eles, está a contaminação sanguínea
por infecções virais, como hepatite B e hepatite C. Por esta razão justificam-se os protocolos de
triagem sorológica e testes confirmatórios dos doadores de sangue, com posterior aconselhamento
e encaminhamento para tratamento, já que os portadores de hepatites virais são, em sua maioria,
assintomáticos até que a doença se desenvolva. Diante disto, a presente dissertação teve como objetivo
determinar a prevalência de soropositividade e a adesão ao tratamento de hepatites virais entre doadores
de sangue com sorologia reagente. Para tanto, foi realizado, inicialmente, um estudo observacional
retrospectivo referente ao período de 2001 a 2011 com o objetivo de determinar a prevalência de
soropositividade para marcadores de infecções por transfusão sanguínea em doadores de sangue com
sorologias reagentes, dentre elas as hepatites virais. Em um segundo estudo observacional retrospectivo,
foi verificado a taxa de adesão ao tratamento dos pacientes portadores de hepatites virais encaminhados
ao centro de referência a partir de doação de sangue, no período de 2009 a 2011. Para melhor
embasamento teórico, foi elaborada, durante a realização do segundo estudo, uma revisão sistemática,
com o objetivo de detectar as abordagens metodológicas usadas para avaliar adesão ao tratamento de
hepatites virais e descrever as principais causas de não adesão ao tratamento das hepatites virais em
todo o mundo. Foi confirmado, através do primeiro estudo, que os marcadores mais prevalentes ao longo
do período analisado foram aqueles para a hepatite B viral, estando presentes em 67,2% (IC 95% 66,6
a 67,8) da amostra estudada, e que a freqüência de doadores com sorologias reagentes para hepatite
C cresceu com o passar dos anos, estando presentes em 5,3% dos doadores com sorologia positiva
em 2001 e 13,1% em 2011 (p<0,0001). A revisão sistemática apontou para a necessidade de mais
ensaios clínicos envolvendo adesão ao tratamento das hepatites virais B e C. O estudo desenvolvido
para avaliar adesão ao tratamento dessas enfermidades demonstrou a necessidade de integração entre o
hemocentro e o centro de referência no tratamento das hepatites virais.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1718309 - DULCE MARTA SCHIMIEGUEL MASCARENHAS LIMA
Interno - 1334092 - FRANCILENE AMARAL DA SILVA
Presidente - 1694328 - WELLINGTON BARROS DA SILVA

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2020 - UFRN v3.5.16 -r12646-2c874e3307