UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Fevereiro de 2024

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


PPGCAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS APLICADAS À SAÚDE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ALESSANDRA PASSOS DE SANTANA
08/02/2024 12:21


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALESSANDRA PASSOS DE SANTANA
DATA: 23/02/2024
HORA: 14:00
LOCAL: Lagarto
TÍTULO: QUEDAS EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO: PREVALÊNCIA, FATORES DE RISCO E ASSOCIAÇÃO AO USO DE MEDICAMENTOS
PALAVRAS-CHAVES: Instituição de Longa Permanência para Idosos; Acidentes por quedas, Saúde do Idoso Institucionalizado, Fatores de Risco, Uso de medicamentos.
PÁGINAS: 90
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

Introdução: Os idosos institucionalizados geralmente apresentamcaracterísticas peculiares, como alta incidência de doenças crônicas, estadocognitivo comprometido e polifarmácia. Esses fatores contribuem para oaumento das morbidades e comorbidades, especialmente as quedas. A quedaé um evento multifatorial, tendo como principais consequências fraturas,comprometimento da capacidade funcional e hospitalização. Objetivo:Identificar na literatura de maneira sistemática os fatores de risco associados aquedas em idosos institucionalizados, bem como, traçar a prevalência, osfatores de risco e a associação ao uso de medicamentos relacionados àsquedas em uma instituição de longa permanência para idosos no nordestebrasileiro. Método: O estudo foi dividido em duas etapas: A primeira trata-se deuma revisão de escopo da literatura, seguindo os critérios do PRISMA-ScR efoi registrada no Open Science Framework - OSF. A busca foi realizada nasbases de dados: PubMed, EMBASE, Web of Science, Scopus e Lilacs, semlimite de tempo de publicação, nos idiomas em Inglês, Português e Espanhol. Apergunta de pesquisa foi: Quais os fatores de riscos associados a quedas emidosos institucionalizados? A triagem dos estudos e extração dos dados foirealizada utilizando o programa Rayyan QCRI. A segunda etapa trata-se de umestudo observacional transversal, realizada entre setembro de 2023 enovembro de 2023 em uma ILPI no município de Lagarto - SE. Na análisedocumental foram avaliados os prontuários dos idosos e coletados históricosde quedas anteriores e os medicamentos em uso. Foram identificados osmedicamentos potencialmente inapropriados para idosos (Critérios de Beers),bem como a ocorrência de polifarmácia (quatro medicamentos ou mais). Paraavaliação do risco de quedas foram aplicadas as escalas de Downton, JohnsHopkins e Test de TUG. O projeto foi aprovado pelo comitê de ética com oCAAE 69822323.7.0000.0217. Resultados: Na revisão de escopo, após aaplicação dos critérios de inclusão obteve-se 69 artigos. Como fator de riscopara quedas destacou-se os medicamentos utilizados, sendo osantidepressivos a classe mais utilizada, em 30,4% (n=21) dos estudos, seguidodos antipsicóticos com 24,6% (n=17) e benzodiazepínicos com 20,3% (n=14).Os medicamentos mais prevalentes foram a Trazodona, a Risperidona, amboscitados em 4,4% (n=3) dos estudos. Com relação aos instrumentos para
avaliação do risco de quedas foram, em sua maioria, o Teste TUG,representando 14,5% (n=10) dos estudos. No estudo observacional, foramanalisados 44 prontuários, destes 40,9% (n=18) do sexo feminino e 59,1%(n=26) do sexo masculino. A prevalência de quedas anteriores, foi em 25% dosidosos (n=11), sendo que dois (4,5%) deles nos ultimos 6 meses. De acordocom a Escala de Downton, 39 idosos (88,6%) apresentaram alto risco dequedas. Na Escala de Johns Hopkins, 63,6% dos idosos (n=28) apresentaramrisco moderado para quedas e 34,1% (n=15) risco alto. Apenas 19 idososconseguiram realizar o Teste de TUG e destes 73,68% (n=14) apresentaramrisco aumentado para quedas, realizando o teste em mais de 20 segundos. Osprincipais fatores associados as quedas identificados pelos instrumentos foram:quedas anteriores, em 25% dos idosos (n=11); idade avançada (superior a 80anos) em 43,2% (n=19); estado mental confuso em 84,1% (n=37); necessidadede auxílio ou supervisão para mobilização, transferência ou deambulação em72,7% (n=32); e medicamentos em uso, destacando-se os psicotrópicosutilizados por 81,8% dos idosos( n=36). O número total de medicamentosconsumidos na instituição foi 254, sendo que apenas uma idosa não utilizamedicamentos. A média de consumo de medicamento entre os idosos varioude 2 (n=5) a 15 (n=1). Com relação a polifarmácia, foi identificada em 74,4%(n= 32) dos idosos. Quanto aos medicamentos potencialmente inapropriadospara idosos devido ao aumento do risco de quedas, foram identificados em86,0% (n=37) dos idosos, sendo a Risperidona o psicotrópico mais utilizado(20,9% (n= 9)).
Conclusão: Na revisão de escopo o uso de antidepressivos, antipsicóticos ebenzodiazepínicos foi apontado de maneira recorrente como um fator dequeda. Dentre os instrumentos utilizados para avaliar o risco de quedas, o maiscitado foi o teste de TUG. No estudo observacional, foi identificado o históricode quedas entre os idosos institucionalizados, bem como os testes aplicadossugeriram uma elevada predisposiçao para quedas futuras. Os principaisfatores de riscos foram as quedas anteriores, idade superior a 80 anos,medicamentos em uso, estado mental e marcha. No que concerne o uso demedicamentos inapropriados para idosos, destaca-se a classe dospsicotrópicos. Assim, compreender tais fatores permite a implementação de
medidas de acompanhamento individuais e sistêmicas que previnam taisquedas e promovam maior segurança aos idosos institucionalizados.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ELISDETE MARIA SANTOS DE JESUS
Presidente - 2928605 - GISELLE DE CARVALHO BRITO
Interno - 2693948 - MIBURGE BOLIVAR GOIS JUNIOR
Interno - 1977480 - PRISCILA LIMA DOS SANTOS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2024 - UFRN v3.5.16 -r18960-cc43e1a90e