UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 22 de Junho de 2024

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


DLEV

DEPARTAMENTO DE LETRAS VERNÁCULAS

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Notícias

LANÇAMENTO DE LIVRO
15/05/2024 18:10


No dia 18 de maio de 2024, às 17 horas, haverá o lançamento do livro Espirais da Loucura - Cornélio Penna e Clarice Lispector (Mauad Editora Ltda), de autoria dos professores Cícero Bezerra (Departamento de Filosofia) e Josalba dos Santos (Departamento de Letras Vernáculas e Programa de Pós-graduação em Letras), ambos da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Cornélio Penna (1896-1958) e Clarice Lispector (1920-1977) não são exatamente da mesma geração de escritores, mas são de gerações que se conheceram e compartilharam certo intimismo, um gosto pela introspecção, um interesse por refletir menos sobre fatos e mais por estados mentais. Ambos escreveram romances nos quais prevalece um olhar sobre as mulheres, mulheres que flutuam entre a realidade e a loucura – uma loucura que às vezes é libertação e em outras é prisão. 

A menina morta (1954), o romance de Cornélio Penna analisado, realiza a loucura em diversas dimensões: da metafórica, passando pela patológica e atingindo a própria narração. Portanto, está além de uma mera questão temática, pois toca a construção do livro. Nessa medida, mais do que denunciar a escravidão e o patriarcado que assolaram – e ainda assolam – o Brasil, a loucura estaria a serviço de mostrar como esses sistemas interferiram na nossa forma de produzir literatura e até de existir.

Em Clarice Lispector, no recorte hermenêutico aqui apresentado, a loucura assume protagonismo como elo comum entre algumas personagens presentes em seus romances. Seria a loucura oposta à lucidez? Ou seria a loucura uma das formas lúcidas de se posicionar frente à esmagadora lógica do sentido que busca reduzir a liberdade a uma categoria ou deliberação puramente racional do indivíduo? Essas são algumas questões possíveis de serem postuladas a partir do confronto entre a escrita clariciana e certos aspectos filosóficos que, desde a Antiguidade grega, passando pela tradição judaico-cristã, figuram como reflexões que redimensionam a loucura, de seu aspecto puramente patológico, para uma perspectiva em que esta é pensada como expressão de transgressão e liberdade.

A professora Josalba dos Santos é professora titular do Departamento de Letras Vernáculas da UFS. Realizou Doutorado e estágio pós-doutoral em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e um segundo estágio pós-doutoral (2023) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atualmente, é membro do grupo de pesquisa Crimes, Pecados e Monstruosidades (UFMG) e Estudos em Leitura Literária (UFS). 

Local: Espaço Alquimia Cultural

Endereço: Rua Deputado Euclides Paes Mendonça, nº 560. Bairro Salgado Filho, Aracaju. 

Horário: 17h.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2024 - UFRN v3.5.16 -r19295-ad7fbbb3d7