UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 25 de Julho de 2021


PGAB

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOCIÊNCIAS E ANÁLISE DE BACIAS

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: ALAN DANTAS CARDOSO
14/07/2021 06:47


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALAN DANTAS CARDOSO
DATA: 20/07/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Remoto pela plataforma Google meet
TÍTULO: PETROGRAFIA, GEOQUÍMICA E MODELAGEM GEOLÓGICA DA PORÇÃO CENTRAL DO ALVO FÓSFORO-URANÍFERO MANDACARÚ, IRAUÇUBA-CE
PALAVRAS-CHAVES: Mineralização; Metassomatismo Sódico; Hidrotermalismo.
PÁGINAS: 30
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Geociências
SUBÁREA: Geologia
ESPECIALIDADE: Petrologia
RESUMO:

O Alvo Mandacarú (Irauçuba-Ce), está inserido na Província Fósforo-Uranífera do Centro-Norte do Ceará, em conjunto com as ocorrências Serrotes Baixos, Taperuaba e a importante jazida Itataia. As rochas estudadas estão localizadas no Domínio Ceará Central, na Subprovíncia Norte da Província Borborema, formada como resultado da convergência e colisão dos crátons Amazônico, São Luís-Oeste África, e São Francisco-Congo, durante a orogenia Brasilina/Pan-Africana, formadora do Gondwana Oeste. O trabalho tem como objetivo fazer uma caracterização estrutural, química e mineralógica das rochas testemunhadas de furos de sondagem, buscando entender os processos geológicos sofridos pelas rochas, além de classificar e quantificar as rochas hospedeiras e a mineralização de fósforo e urânio presente. As etapas consistiram em um levantamento bibliográfico, seguido de descrições macroscópicas que buscaram identificar os diferentes grupos de rochas existentes na região, dividindo-os em sete grupos: (1) paragnaisses, (2) metacarbonatos, (3) quartzitos (4) cataclasitos/brechas; (5) hidrotermalitos; (6) colofanitos e (7) cobertura de solo e saprólito com quartzo leitoso. O estudo petrográfico identificou que as rochas exibem metamorfismo na fácies anfibolito superior, marcado pela presença de biotita, granada e feldspato alcalino, com retrometamorfismo, metassomatismo sódico, albitização, riebeckitização e hematitização, caracterizados pela sericitização e saussoritização dos feldspatos, cloritização da biotita, neoformação de albita, além de alteração de anfibólios/neocristalização de riebeckita. O estudo da geoquímica de rocha total mostrou que as rochas estudadas possuem enriquecimento de elementos terras raras pesados com relação aos leves, seguido de enriquecimento de U, provavelmente controlado pela interação com fluidos hidrotermais férteis. As rochas são de origem sedimentar, caracterizadas como imaturas e de baixa intensidade de intemperismo, sendo provavelmente provenientes de sedimentação de antigas rochas ígneas de natureza ácida a intermediária, inseridas em um ambiente de margem ativa. O P2O5 uma das comodities da mineralização da região, possui íntima relação com CaO e SiO2, sendo explicada pela interação da mineralização com veios carbonáticos e silicáticos. O mineral minério presente é o colofano, após a modelagem geológica foram identificados dois corpos maciços de colofanito, totalizando 8,436 m3, com conteúdo de P2O5 superior a 10 % e de U superior a 300 ppm. Com tudo, a grande maioria de sua ocorrência está disseminada nas rochas encaixantes, impregnando gnaisses e metacarbonatos, cimentando fraturas, brechas e cataclasitos, ocorrendo como veios e stockworks próximos e nos próprios hidrotermalitos, além de raramente preencher vacúolos nos quartzitos. As rochas do Alvo Mandacarú possuem semelhanças com as rochas do depósito Itataia, visto que ambas estão situadas num contexto geológico geograficamente próximo e similar para ambiência tectônica, onde a mineralização em ambos está vinculada a albitização de metassomatismo sódico, ligados a fluidos hidrotérmicos. Entretanto, maiores conteúdos de P2O5 e U em Itataia podem ser explicados por melhores condições estruturais para concentração do minério, além de uma possível baixa efetividade de algumas das fases mineralizantes no alvo Mandacarú. Novos trabalhos utilizando métodos de estudo de química mineral, inclusões fluidas e geoquímica isotópica, são recomendados, podendo fornecer novas informações que expliquem com maior exatidão as diferenças com o depósito Itataia e consequentemente as disparidades nos conteúdos mineralizados entre os depósitos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1137881 - LUIZ ALBERTO VEDANA
Interno - 2019392 - ADRIANE MACHADO
Externo à Instituição - RUY PAULO PHILIPP

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15644-68a4915b02