UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 11 de Maio de 2021


PPGA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Notícias

Banca de DEFESA: MARCOS ANDRADE ROCHA
29/04/2021 16:18


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARCOS ANDRADE ROCHA
DATA: 20/05/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Forma remota.
TÍTULO: MOVIMENTOS SOCIAIS DE OCUPAÇÃO DA GRANDE ARACAJU: RITOS, SÍMBOLOS E MÍSTICAS
PALAVRAS-CHAVES: movimento de ocupação; Grande Aracaju; Ritos; Símbolos; Místicas
PÁGINAS: 169
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Antropologia
RESUMO:

A presente pesquisa investiga a ritualização da luta pela moradia, realizada pelos dois movimentos de ocupação urbana com maior número de ocupações e ocupantes atualmente presentes na Região Metropolitana de Aracaju (que engloba, além da Capital sergipana, os municípios de São Cristóvão, Nossa Senhora do Socorro, e Barra dos Coqueiros) – o Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos (MOTU) e o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST). Através do emprego de recursos rituais (como cânticos e palavras de ordem), e de recursos simbólicos (como bandeiras, camisas, ferramentas e alimentos), os movimentos Sem-Teto aqui investigados dramatizam os conflitos decorrentes das ações de ocupar, residir, produzir e resistir, em rituais realizados nas ocupações, por eles chamados de místicas. Essa ritualização por meio das místicas, também é realizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), movimento rural que deu origem aos urbanos MTST e ao MOTU. Entretanto, a “urbanização” dos ritos e símbolos do movimento rural se deu em meio a uma (res)significação das místicas: ondem preponderavam as referências à “terra”, à sobrevivência do homem do campo, passou a ser enfatizado o “teto”, a habitação necessária ao trabalhador urbano. A hipótese adotada neste pesquisa é um insight de que existe uma relação entre os ritos e símbolos (por um lado) e as estratégias de luta (por outro lado) dos movimentos Sem-Teto, sendo que a ritualização da luta por moradia contribuiria para o fortalecimento do vínculo social entre os Sem-Teto, gerando coesão ao grupo. Para investigar a veracidade dessa assertiva – e melhor compreender o fenômeno da ritualização nos movimentos Sem-Teto da Grande Aracaju – está sendo realizada pesquisa qualitativa, mesclando a observação-participante nas ocupações com entrevistas semiestruturadas com os integrantes dos movimentos sociais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1568142 - CHRISTINE JACQUET
Interno - 027.020.824-08 - LEONARDO LEAL ESTEVES
Interno - 2656626 - MARCOS SANTANA DE SOUZA
Externo à Instituição - CRISTIANO WELLINGTON NOBERTO RAMALHO

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r14897-f22248cd05