UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 17 de Abril de 2024

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


PPGCS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Notícias

Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIANA DO ROSÁRIO SOUZA
04/04/2024 10:22


Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIANA DO ROSÁRIO SOUZA
DATA: 19/04/2024
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 27, nas dependências do PPGCS no Ambulatório de Pediatria do H.U.
TÍTULO: “Indicadores Clínicos e Epidemiológicos da Tuberculose no Brasil, 2001-2020: dinâmica espacial, tendência temporal e impacto da pandemia de COVID-19”
PALAVRAS-CHAVES: Tuberculose; Tuberculose pulmonar; Serviços de saúde; Epidemiologia.
PÁGINAS: 61
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

A tuberculose (TB) é uma doença infeciosa grave e de evolução crônica. Anualmente 10,6milhões de pessoas adoecem com TB no mundo e apesar de ser uma doença evitável e,geralmente, curável, 1,6 milhão de pessoas morrem por essa enfermidade a cada ano. No Brasil,as disparidades regionais podem influenciar na prevalência e mortalidade por TB nas diferentesregiões. Visto isso, o trabalho objetivou compreender o impacto da pandemia da COVID-19sob os diagnósticos de Tuberculose pulmonar (TBP) no Brasil e a dinâmica espaço-temporaldos indicadores de TBP no Nordeste brasileiro. Para tanto, foi conduzido um estudo ecológicoe de série temporal com dados obtidos nas plataformas públicas do governo brasileiro, oSistema de Informação de Notificação de Agravos (SINAN) e o Instituto Brasileiro deGeografia e Estatística (IBGE). Para avaliar o impacto da pandemia nos casos de TB, foicalculado o número de casos esperados de acordo com a média dos casos novos registradosmensalmente nos cinco anos anteriores à pandemia. Para análise espacial, foram aplicadosíndices de Moran globais e locais e estatísticas de varredura espaço-temporal foram utilizadaspara detecção de clusters de risco. As tendências temporais foram avaliadas por meio de ummodelo de regressão linear segmentado. A análise dos dados mostrou redução no diagnósticode TB (-8,3%) e TBP (-8,1%) no Brasil após a irrupção da pandemia de COVID-19 e a análisede séries temporais interrompidas mostrou declínio no diagnóstico da TB e da TBP. Durante osanos de 2001 a 2020 foram notificados 426.110 casos de TBP no Nordeste brasileiro, ocoeficiente de mortalidade apresentou tendência crescente neste período (APC = 17,4% ao ano).Adicionalmente, houve estabilidade na proporção de abandono e tendencia decrescente naproporção de curado. A TBP tem distribuição heterogênea na região Nordeste, mas comaglomerados espaço-temporais de alto risco, principalmente na Bahia, Ceará, Maranhão elitoral de Alagoas e Pernambuco. Tomados em conjunto, esses dados reportam um cenárioinsidioso e preocupante acerca da TB no Brasil. A estabilidade na taxa de incidência, associadaao aumento na taxa de mortalidade e a queda na proporção de curados, escancaram asdeficiências para o controle da TB e põe em risco a meta do Brasil para o “End TB strategy”pactuado com a OMS.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2030768 - ALLAN DANTAS DOS SANTOS
Interno - 1347234 - KARINA CONCEICAO GOMES MACHADO DE ARAUJO
Externo ao Programa - 3357466 - MARCO AURÉLIO DE OLIVEIRA GÓES

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2024 - UFRN v3.5.16 -r19100-31f4b06bdf