UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Fevereiro de 2024

A UFS preocupa-se com a sua privacidade

A UFS poderá coletar informações básicas sobre a(s) visita(s) realizada(s) para aprimorar a experiência de navegação dos visitantes deste site, segundo o que estabelece a Política de Privacidade de Dados Pessoais. Ao utilizar este site, você concorda com a coleta e tratamento de seus dados pessoais por meio de formulários e cookies.

Ciente


PPGCULT

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO INTERDISCIPLINAR EM CULTURAS POPULARES

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Notícias

Banca de DEFESA: GILMA SANDRA SANTOS MACEDO
16/02/2024 09:34


Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GILMA SANDRA SANTOS MACEDO
DATA: 29/02/2024
HORA: 10:00
LOCAL: A definir
TÍTULO: NOS CRUZOS, ME PADILHEI: DA NATURALIZAÇÃO DA SOLIDÃO DA MULHER NEGRA AO EMPODERAMENTO COMO UM EBÓ DE COSTUMES COMPORTAMENTAIS E CULTURAIS.
PALAVRAS-CHAVES: Escrevivência; Empadilhamento; Empoderamento; Mulher Negra.
PÁGINAS: 105
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO:

A pesquisa busca destacar relevantes aspectos da trajetória e experiência da própria pesquisadora como mulher negra e periférica, explorando suas relações com a religiosidade afro-brasileira. O foco inicial é compreender a si mesma antes de analisar outras mulheres negras, refletindo as dificuldades enfrentadas em solidão e abandono. Assim, a pesquisa visa captar as vivências da pesquisadora como parte desse grupo, utilizando a escrevivência para contextualizar criticamente suas memórias pessoais, familiares e experiências nas esferas humanas, culturais e sociais. A escolha da etnografia como metodologia concentra-se no entendimento de que a vivência da pesquisadora é um caso de estudo para noções como empoderamento feminino negro e resistência como emancipação. A abordagem problematiza as feridas coloniais, destacando as heranças e aprisionamentos culturais étnico-raciais como primeira porta de entrada para entender o condicionamento imposto à mulher negra. O rompimento desse condicionamento é explorado pelos cruzos propostos pelas divindades femininas afrodiaspóricas, as Padilhas, que enfatizam o empoderamento feminino. O diálogo da pesquisa inclui conceitos como transgressão (Foucault), cruzo (Martins e Rufino), feridas coloniais (Kilomba), subalternidade (Evaristo e Carolina de Jesus) e o conceito de padilhagem (Rufino e Simas), atuando como agente de empoderamento e descondicionamento para enfrentar um ebó epistêmico.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 881.142.605-72 - ALEXANDRA GOUVEA DUMAS
Interno - 4205099 - FERNANDO JOSÉ FERREIRA AGUIAR
Presidente - 1683953 - MAICYRA TELES LEAO E SILVA
Interno - 2247903 - RAPHAELA SCHIASSI HERNANDES
Externo à Instituição - YÉRSIA SOUZA DE ASSIS

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2024 - UFRN v3.5.16 -r18960-cc43e1a90e