UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 21 de Abril de 2021

CINEMA E AUDIOVISUAL/DCOS - São Cristóvão

 

curso  Nível  Graduação

DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - DCOS

Últimas Notícias

  Oficina de Documentário - Trajetória, Definições e Rupturas
  Seleção de vagas para monitorias voluntárias do projeto de Monitoria para os componentes curriculares do curso de Cinema e Audiovisual da UFS 2020.2
  Abertura Incomunicações 2021
  Divulgação projetos de extensão ciclo 2020.2 - inscrição monitorias remuneradas e voluntárias
  Divulgação prêmio de melhor curta Abjetas 288, projeto de TCC alunas do curso de cinema e audiovisual


Apresentação

BREVE HISTÓRICO DO CURSO

O cinema como campo de interesse existe na UFS pelo menos desde a década de 1970, quando da realização do Festival Nacional de Cinema, o FENACA, que funcionou até a década de 1980. Destaca-se nesse período significativa produção em Super 8 especialmente de caráter documental, com filmes voltados às manifestações culturais regionais. O movimento cinéfilo existente na UFS resultou, na década de 1990, na criação do Centro de Estudos Cinematográficos da UFS (CECINE), um grupo de estudos composto por professores e alunos de diversos cursos, além de alguns participantes externos, e em funcionamento até hoje.

Em 1993 é criado na UFS o Bacharelado em Comunicação Social, com habilitações em Jornalismo e Radialismo. A presença dos dois cursos, em especial o segundo, voltado para a formação de profissionais em rádio e TV, fortaleceu a relação da UFS com o cinema e o audiovisual. Mas é em 2009, com a criação da habilitação em Audiovisual, a partir do apoio do Reuni para a expansão das universidades federais, que essa relação fica mais forte.

A chegada de um curso de graduação mais focado na audiovisualidade amparou-se numa tendência dos cursos de Comunicação Social no Brasil, voltados à convergência de mídias, buscando uma aproximação cada vez maior dos processos de captura, produção e divulgação de conteúdos audiovisuais. Não à toa foi criado na mesma época em que várias outras graduações na área são iniciadas em universidades dentro e fora do Nordeste, caso da UFRB, UFPB, UFPE e UFC, para citar apenas os da região.

Certamente, o curso de Audiovisual, desde sua criação, impactou no cenário profissional local, resultando na abertura de produtoras de conteúdo audiovisual e na absorção de egressos para o trabalho na produção de programas locais em emissoras de rádio e televisão, sejam estas abertas ou via cabo. Pode-se notar no estado de Sergipe, nos últimos anos, um momento de crescimento de iniciativas no campo do cinema e audiovisual, com a consolidação de mostras e festivais de abrangência internacional, a exemplo do Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe (Curta-SE) que, em 2020 completou 20 edições; e nacionais, como o Festival Sergipe de Audiovisual (SERCINE) e da Mostra de Cinema Negro EGBÉ.

Deve-se mencionar, ainda, a possibilidade de parcerias em realizações científicas e técnicas com secretarias do estado e do município voltadas à cultura e educação. Pode-se destacar as parcerias e os projetos desenvolvidos no âmbito da Secretaria Municipal  de Cultura, através de órgãos como o Centro Cultural de Aracaju, o Núcleo de Produção Digital (NPD) e o Cine Vitória, dentre outros. 

É preciso mencionar o Cine Mais UFS, projeto de extensão vinculado ao nosso curso, em funcionamento de 2010 a 2019. O projeto do cineclube atuou em parceria com o Programa Cine Mais Cultura do Ministério da Cultura (Minc), exibindo semanalmente filmes brasileiros, além de outras produções audiovisuais, tais como os trabalhos práticos desenvolvidos pelos alunos da UFS. O Cine Mais se tornou uma referência na instituição em termos de difusão do cinema nacional com pouco espaço nas salas comerciais de cinema em Aracaju. O projeto também abriu espaço para os realizadores sergipanos, sejam discentes da UFS ou não, estabelecendo a possibilidade de encontro entre diretores das obras e público. O Cine Mais UFS também incentivou o potencial do cinema na escola, com parcerias junto a iniciativas nacionais, tais como o projeto Inventar com a Diferença (Universidade Federal Fluminense/UFF e Secretaria Nacional dos Direitos Humanos).

Outros projetos na UFS atuaram ou atuam com cinema e educação, tais como o Cine Debate – o texto cinematográfico como tecnologia da informação e da comunicação aplicada a educação, que funcionou entre 2007 e 2009 através do NUCA – Núcleo de pesquisa em Comunicação e Tecnologia/UFS. O projeto propiciou discussão sobre o uso do cinema em sala de aula, a alfabetização audiovisual de alunos e professores, a qualificação de docentes e o desenvolvimento de estratégias interdisciplinares para o processo de ensino/aprendizagem.

Do ponto de vista de grupos de pesquisas deve-se mencionar a existência o Laboratório de Pesquisa e Produção em Audiovisual (LAPPA), que funciona desde 2011 e reúne diversos professores que trabalham na pesquisa e produção em cinema e audiovisual, e agregam ao curso bolsistas PIBIC e alunos voluntários em diferentes temáticas afins ao cinema. O LAPPA é um grupo de pesquisa muito atuante no Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Cinema, o PPGCINE. Criado em 2016, o programa tem o Mestrado em Cinema e Narrativas Sociais e é vinculado à área Interdisciplinar da CAPES. Único com este formato no país, o PPGCINE agrega professores de diversas áreas – Antropologia, Artes Visuais, Arquitetura, Cinema e audiovisual, Design, Educação, Letras, Psicologia, Teatro, entre outras. Trata-se de uma rica alternativa de vivência em pesquisa e pós-graduação para nossos egressos, e mesmo para os graduandos que participam dos grupos de pesquisa e de atividades científicas comuns. Além do PPGCINE, vale citar que os alunos interessados em pesquisa também têm a opção do Mestrado em Comunicação, do Programa de Pós-graduação em Comunicação (PPGCOM), que funciona na UFS desde 2014.

Em 2017, a habilitação em Audiovisual, a partir de uma reforma curricular, dá lugar ao Curso de graduação em Cinema e audiovisual. A proposta levou em consideração tanto as mudanças curriculares de cursos de Rádio e TV, como de novos cursos de Cinema e audiovisual criados em outras universidades brasileiras nos últimos anos. Após uma fase de levantamento dessas modificações, seguiu-se a discussão relacionada às novas formas de produção, convergências midiáticas e à distribuição de projetos realizados em um tipo de mercado que atualmente envolve não apenas os sistemas de radiodifusão, mas também os que estão relacionados com a web e as novas mídias que se desenvolveram após a solidificação deste meio. 

Dentro do novo currículo foram inseridas disciplinas que focalizam a produção do cinema e audiovisual. Sua distribuição foi pensada em eixos e se estrutura em: 1) disciplinas que focam no desenvolvimento técnico e profissional, voltadas para a formação prática; 2) disciplinas voltadas para o desenvolvimento de projetos de obras audiovisuais; 3) disciplinas voltadas para a gestão, a produção e a distribuição de obras; 4) disciplinas voltadas para teoria, análise e crítica do cinema e audiovisual e, 5) disciplinas interdisciplinares, voltadas para as Artes e Humanidades. 

A nova estrutura curricular do curso também contemplou disciplinas voltadas para reflexão da história das mídias visuais e a prática laboratorial em meios digitais. Essas disciplinas contribuem para a compreensão dessas novas linguagens e como se relacionam com o mercado audiovisual atual. No eixo teórico, as disciplinas abrangem uma historiografia do cinema mundial e brasileiro, da televisão e mídias digitais. Uma conexão oportuna com as artes e a estética traz a fundamentação para possíveis trabalhos acadêmicos que visem a continuidade em pesquisas em pós-graduação.

Estabelecendo um diálogo muito profícuo entre ensino, pesquisa e extensão, funciona desde 2018 o Núcleo Interdisciplinar de Cinema e Educação, o NICE. Sua semente esteve numa parceria entre UFS e o projeto Inventar com a diferença, da Universidade Federal Fluminense (UFF), em 2017, no desenvolvimento do projeto Nordeste de Invenção. A partir de 2018, diversas atividades de cinema e educação, envolvendo tanto o curso quanto o PPGCINE convergiram na criação do NICE, que se configura atualmente como um Programa de Extensão na UFS e a principal realização de inserção social do mestrado em Cinema. O NICE articula docentes e discentes da graduação e pós-graduação no desenvolvimento de ações cineclubistas, de formação e criação audiovisual em instituições da rede básica de ensino, além de parcerias com outras instituições educacionais, como o Instituto Federal de Sergipe (IFS-SE) e a Secretaria Estadual de Educação, do Esporte e da Cultura (SEDUC).

Há também, desde 2019, o projeto de extensão Maré Narrativa, voltado para a formação de roteiristas e com atuação também nas escolas em parceria com o NICE. O projeto tem buscado acompanhar o desenvolvimento de roteiros dos alunos de modo a encaixá-los nos mais diversos editais da área, como os de festivais de roteiro (FRAPA e ROTA), de produção para TVs (FUTURA), entre outros.

Outros projetos podem ser destacados, como o projeto de Ocupação do 35º FASC – Festival de Artes de São Cristóvão, que promoveu a exibição de filmes, realização de debates e a gravação de um documentário sobre o Festival. No ano de 2020, em cinco meses de ensino remoto os projetos de extensão Cinema e Autoconhecimento: práticas e diálogos de quarentena, Ocupação da Cinemateca do DCOS/UFS, Cine Calçadão e Cine Vitória UFS realizaram 33 eventos, entre eles, a exibição de curtas-metragens (+ 100 curtas exibidos), masterclasses com profissionais (5), rodas de conversa com diretores e produtores de cinema (8) e a exibição de longas-metragens nacionais (4).

 

Perfil da primeira geração de egressos:

Como perfil, o graduado no curso de bacharelado em Cinema e audiovisual da UFS deve estar capacitado para atuar profissionalmente nas áreas de direção, fotografia, roteiro, produção, som, edição/montagem, cenografia, figurino, animação e infografia. As competências e aptidões a serem adquiridas pelo egresso ao longo de sua formação desejadas pelo curso são:

-  Adquirir capacidade criativa na produção, distribuição e recepção de produtos audiovisuais;

-  Estar apto a uma análise crítica de conteúdos referentes a cinematografia e as novas mídias e suas inserções culturais, políticas e profissionais;

-  Possuir uma visão integradora como profissional do cinema e audiovisual que transcenda à mera execução de tarefas, o que exige uma compreensão de seu papel no mundo contemporâneo e das inter-relações entre o audiovisual e os demais processos sociais, seja numa perspectiva histórica, seja na atualidade;

-  Ter domínio de uma capacidade expressiva rica e diversificada, que valorize os fundamentos da Língua Portuguesa, bem como as manifestações culturais regionais e brasileira, interligadas a processos mundiais de mútua influência no campo cultural e comunicacional;

- Refletir criticamente sobre sua prática profissional, bem como perceber, interpretar, recriar e registrar cinematograficamente aspectos da realidade social e cultural de modo a torná-las disponíveis à sociedade por intermédio de obras narrativas, documentárias, artísticas ou experimentais;

-  Preparar-se para identificar e compreender as transformações no mundo da comunicação social, tanto nas suas tecnologias, linguagens e estruturas de produção quanto nas modificações e surgimento de novas demandas sociais.

 

Os egressos do curso de Cinema e audiovisual se distribuem no mercado de produtoras e de TVs em Aracaju. Entre TVs públicas e concessões privadas, eles são empregados nas TV Sergipe, TV Atalaia, TV Aperipê, TV Alese, entre outras. Exercem as mais distintas funções. Além de serem absorvidos pelas produtoras locais, os egressos também abrem as suas próprias produtoras, como é o caso da Rolimã, responsável também pela execução de alguns festivas de Sergipe, como SERCINE e EGBÉ. Além disso, muitos deles seguem para capitais que produzem filmes de forma mais ostensiva, resultado também da maior quantidade de políticas pública, como Salvador, Recife, São Paulo e Rio de Janeiro. Para concluir, é importante frisar que parte deles seguem carreira acadêmica e, principalmente, a partir da criação do PPGCINE, integram a equipe de professores da instituição como substitutos, além de realizarem oficinas para o SESC Sergipe, o ITPI, o NPD, entre outras instituições que apresentam tais demandas. 

 

 

 


Coordenação do Curso : PATRICIA HORTA ALVES
Coordenação do Curso : DAMYLER FERREIRA CUNHA
Área de Conhecimento CNPQ:
Ciências Sociais Aplicadas
Modalidade de Curso:
Presencial

Contato

Coordenação: Damyler Ferreira Cunha

cinemaeaudiovisual@academico.ufs.br

 

Secretário do curso: Joseilton Santos de Souza

dcos@academico.ufs.br

telefone: 79 3194 6919

 

No ensino remoto não estamos atendendo por telefone, somente e-mail. 


<< Voltar

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r14589-4478020cd2