UFS › SIGAA - Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas São Cristóvão, 17 de Junho de 2021

TEATRO/DTE - São Cristóvão

 

curso  Nível  Graduação

DEPARTAMENTO DE TEATRO - DTE

Notícias

CONVITE DEFESA DOUTORADO


Defesa da tese de doutorado da Profa. Lourdisnete Silva Benevides. Doutoranda em Educação (Núcleo de Pós-Graduação em Educação/NPGED/ Universidade Federal de Sergipe/UFS). Mestre em Artes Cênicas (Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas/PPGAC/UFBA, 2003). Graduada em Licenciatura em Teatro (Universidade Federal da Bahia, 1995) e Bacharelado em Direção Teatral (Universidade Federal da Bahia, 1998). Professora do Núcleo de Teatro/Curso de Licenciatura em Teatro/UFS). Atriz, Diretora Teatral e Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa: Arte, Diversidade e Contemporaneidade (ARDICO), Linha: Arte, Saúde e Educação/ Grupo: Arte na Educação. Membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia; ABRACE; Conselho Municipal de Cultura de Laranjeiras, SE. Escreveu, A Louvação das Prostitutas de Riachão do Jacuípe ao Glorioso São Roque e outros textos. E-mail: netebenevides@hotmail.com


DATA: 31/03/2015 (Terça-feira)
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do PPGED/UFS, prédio da didática 2, Campus de São Cristovão. 
TÍTULO: Formação teatral em Aracaju, Sergipe.
PALAVRAS-CHAVES: Formação teatral. Prática artística. Relação com o aprender. Memória. Aracaju.
PÁGINAS: 405
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
RESUMO:

A presente pesquisa trata da formação teatral na cidade de Aracaju, entre os anos de 1960 e início dos anos 2000, nosso campo empírico, quando ainda não havia em seu cotidiano qualquer escola de formação teatral formal. Nesse contexto teatral, o qual antecede a instalação do curso de Licenciatura em Teatro/UFS, no ano de 2007, a preocupação foi descobrir como se deu a formação teatral desses sujeitos teatrais sergipanos e quais foram as suas práticas artísticas. Consideramos que elas ocorreram a partir de suas formações informais e não formais e, para isso nos apropriamos dos estudos de Maria da Glória Gohn sobre educação não formal. Igualmente, buscamos examinar e descrever como se deram os processos de relações que eles tiveram com os seus aprenderes teatrais, levando em conta a apreciação da relação com o saber amplamente divulgada por Bernard Charlot. Além deles, nos aproximamos do aporte teórico de István Mészáros, para lembrar da dinâmica do aprender como uma constante em nossas vidas; L.S. Vigotski, uma vez considerando os processos históricos e sociais e Muniz Sodré, com a sua ideia de ecologia dos saberes, uma pedagogia que abriga a diversidade. A tese considerou as 49 entrevistas semiestruturadas realizadas com artistas teatrais sergipanos e fundamenta-se na metodologia da abordagem qualitativa da história oral, compreendida por José Carlos Sebe Bom Meihy como um modo de fazer e pensar a pesquisa oral. Contudo, a analise atendeu ainda aos poucos documentais existentes, quando foi necessário. Aliás, concomitantemente ao instrumento da coleta de dados de campo, foi realizada uma revisão bibliográfica centrada no contexto da formação teatral, principalmente sobre a formação teatral sergipana. Acreditamos que a apresentação dos resultados desta pesquisa, em cumprimento aos objetivos do PPGED/UFS, linha de pesquisa Formação de Educadores: Saberes e Competências, pode contribuir para fomentar novas pesquisas a propósito do teatro sergipano e seus fazeres artísticos.


MEMBROS DA BANCA: 
Presidente - 731.071.581-00 - BERNARD JEAN JACQUES CHARLOT
Externo à Instituição - MARIA DE FÁTIMA SOUZA MORETTI
Interno - 155.249.575-20 - MARIA HELENA SANTANA CRUZ
Interno - 1344550 - VELEIDA ANAHI DA SILVA
Externo à Instituição - ÉRICO JOSÉ SOUZA DE OLIVEIRA


Notícia cadastrada em 24/03/2015 11:29  

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação/UFS | Telefonista/UFS (79)3194-6600 | Copyright © 2009-2021 - UFRN v3.5.16 -r15368-99f189d34b